Câmara aprova pedido a Bolsonaro para que CAIC seja Escola Cívico Militar

O vereador João Bosco dos Santos Filho, Bosquinho, apresentou um requerimento direcionado ao presidente Jair Bolsonaro e que foi aprovado na manhã de hoje na Câmara com três votos contrários (Sandra Marrocos, Tibério Limeira e Marcos Henriques). A proposta é transformar o prédio do Centro de Atenção Integral a Criança e ao Adolescente (CAIC), em Mangabeira, em uma Escola Cívico Militar. “O governo federal quer implantar 108 unidades de escolas cívico militar no Brasil e gostaria que João Pessoa tivesse uma delas, especialmente porque o CAIC está abandonado”, disse o parlamentar, adiantando que levará a proposta ao conhecimento de deputados federais e senadores paraibanos.

“O requerimento é no sentido de que a nossa Capital seja uma das primeiras a receber primeira Escola Cívico Militar, neste sentido gostaria de prestar nossa colaboração com o Governo Federal, indicando um local, onde a referida escola poderá ser implantada na cidade de João Pessoa. Há vários anos abandonado, o Centro de Atenção Integral a Criança e ao Adolescente, mais conhecido como CAIC de Mangabeira, vizinho ao prédio da Cehap. O prédio que ocupa uma área de 8.500 m², numa localização privilegiada no bairro de Mangabeira e de fácil acesso, sendo um prédio federal, que facilitará a implantação da nossa primeira escola cívico-militar”, explicou o vereador.

Os vereadores Sandra Marrocos (PSB) e Marcos Henriques (PT) se opuseram ao requerimento. A parlamentar disse que não aprova o modelo militar nas escolas e que defende a educação progressista e libertária. Por sua vez, o líder de oposição, Marcos Henriques se posicionou frontalmente contra a proposta: “O presidente Jair Bolsonaro precisa liberar dinheiro para as universidades, pagar melhor os professores, aumentar a verba do Fundeb. Ele está deteriorando a educação por uma motivação ideológica. Não tenho nada contra o Exército, mas acho inoportuno esse projeto diante da ineficiência do governo federal para com a educação brasileira”.

Comentários