Associação afirma que dois sindicatos da polícia são “fantasmas”; veja

A presidente da ASPOL/PB, Suana Melo, esteve na manhã desta sexta-feira (31) na Rua Monsenhor Almeida nº 347, no bairro de Jaguaribe, em João Pessoa/PB, onde segundo inscrição na Receita Federal deveriam funcionar o Sindicato dos Escrivães de Polícia Civil da Paraíba e o Sindicato dos Agentes de Investigação da Paraíba, desde 1º de abril de 1991. Ambos integram o ‘Fórum das Entidades de Segurança’ e estiveram em negociação com o governador João Azevêdo no dia 29 de janeiro, enquanto a ASPOL/PB que tem mais de mil associados foi impedida. A Aspol, contudo, não sabe dizer de quem partiu a “decisão colegiada” que lhe barrou.

No endereço que consta no site da Receita, a ASPOL/PB afirma que existe apenas uma casa abandonada. Não há placa ou qualquer caracterização ou sinalização de um sindicato da segurança pública.

Suana Melo desafiou os presidentes dessas entidades a apresentarem seus quadros de filiados, registros de assembleias ou ações em defesa dos policiais civis da Paraíba em 29 anos de funcionamento, como consta a data do início das atividades. A presidente também alertou o governador sobre a participação desses dois sindicatos nas mesas de negociações.

Confira abaixo as entidades que deveriam funcionar no endereço que consta no site da Receita Federal:

Sindicato dos Escrivães de Polícia Civil do Estado da Paraíba
Início de atividade: 1º de abril de 1991
Endereço: Rua Monsenhor Almeida, 347, Jaguaribe, João Pessoa/PB.
CNPJ: 35 506 716 0001 40
Responsável: EPC Arnaldo Coutinho de Oliveira

Sindicato dos Agentes de Investigação do Estado da Paraíba
Início de atividade: 1º de abril de 1991
Endereço: Rua Monsenhor Almeida, 347, Jaguaribe, João Pessoa/PB.
CNPJ: 35 506 732 0001 32
Responsável: APC Antônio Targino da Costa Neto

Federação dos Policiais Civis do Estado da Paraíba (criada a partir dos dois sindicatos)
Início de atividade: 06/01/1991
Endereço: Rua Monsenhor Almeida, 347, Jaguaribe, João Pessoa/PB.
Responsável: Antônio Erivaldo Henrique de Sousa.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.