Ricardo Barbosa diz que votação da MP 161 será teste para Governo

O deputado estadual Ricardo Barbosa (PSB), relator da Medida Provisória 161, que ainda tramita na Comissão de Constituição e Justiça e trata da anulação dos atos praticados pelo ex-governador José Maranhão (PMDB) no período de 1º de julho a 31 de dezembro de 2010, disse hoje que espera encontrar uma pedreira no plenário quando a matéria for posta em votação. Para ele, o bloco de oposição deverá votar unido contra a MP encaminhada à Casa pelo governador Ricardo Coutinho. Barbosa, que pediu vista da MP na semana passada para se inteirar melhor do assunto, disse não saber se o Governo conseguirá reunir maioria para efetivar a revogação dos atos de Maranhão:

– Não creio que a MP 161 seja aprovada com tranquilidade. A impressão que tenho é de que a oposição vá votar em bloco contra a medida. Estamos atentos e conversando com os colegas para também ter uma estratégia de votação na sessão de terça-feira. Não sei se temos maioria, mas certamente esse será um bom teste.

No último dia 19, Barbosa pediu vista da MP 161 e alegou desconhecimento do assunto. O socialista alegou que a MP tratava de assunto complexo e polêmico e acrescentou que não poderia dar seu parecer porque só teria tido acesso ao texto pouco tempo antes da apreciação.

– Recebi a incumbência de oferecer o parecer, mas só tive conhecimento da matéria hoje [dia 19/01]. Ontem, [18/01] por telefone, conversei com o presidente da CCJ de Zenóbio Toscano porque muitas pessoas estavam preocupadas com a extensão dos atos. Zenóbio me disse que o que havia sido votado pela Assembleia não estava inserido na Medida Provisória. Eu só tive acesso às informações hoje, durante a sessão da CCJ. Infelizmente, não me senti seguro e no primeiro questionamento que fiz ao presidente da CCJ não bateu meu entendimento com o do deputado Zenóbio Toscano. Na falta de segurança, preferi adiar para discutir com conhecimento o assunto. Não tive como fazer isso hoje de manhã. Não há prejuízo para o Governo. O que me restou foi pedir o adiamento para a próxima sessão para que eu possa estudar melhor a matéria. Evidente, que eu tenho uma linha de voto que será muito provavelmente consoante ao interesse da MP do Governo, mas não me senti à vontade de fazê-lo hoje. Não há polêmica nisso. É uma praxe do parlamento. O texto não explicita que atos serão tornados nulos. Ele apenas diz que com base nas restrições legais, anula os atos dos últimos 180 dias do governo anterior", disse Barbosa.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.