Professoras são demitidas de faculdade na PB após manifestações contra Bolsonaro

Duas professoras do curso de Arquitetura e Urbanismo das Faculdades Integradas de Patos (FIP) foram demitidas após a manifestação contra o candidato a presidente, Jair Bolsonaro (PSL), durante o Simpósio de Arquitetura e Urbanismo (SAU), que foi realizado de terça (25) até quinta-feira (27), na faculdade. Um palestrante e estudantes teriam se manifestado com a frase “Ele não” em referência à defesa da não eleição do militar à Presidência da República.

Com isso, as professoras teriam sido responsabilizadas e, assim, demitidas da instituição nessa sexta-feira (28).

Tudo teria acontecido quando um palestrante exibiu em slide a frase “Ele não”. Alguns estudantes reagiram favoráveis à manifestação e geraram o clima de protesto no local do simpósio.

Contra o que chamou de “conotação de supostas apologias a correntes político-partidárias que destoam da postura institucional das FIP”, a rede de faculdades emitiu, ontem, nota sobre o caso. Veja na íntegra.

As FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS – FIP vêm, por meio de sua Direção Geral, manifestar-se perante a Comunidade Acadêmica e a sociedade em geral sobre alguns fatos ocorridos no Simpósio de Arquitetura e Urbanismo (SAU), promovido e organizado pela Coordenação do referido Curso, no período de 25 a 27 de setembro de 2018:

1) Não obstante se compreenda que a expressão artística e criativa dos nossos alunos, convidados e colaboradores seja livre, é compreensível que as formas de manifestação e exposição devam seguir critérios de razoabilidade e respeito ao ambiente e a utilização dos espaços, sobretudo, quando estas podem ter conotação de supostas apologias a correntes político-partidárias que destoam da postura institucional das FIP, do ambiente e do objeto central do evento;

2) A Direção Geral da FIP foi surpreendida com algumas exposições (projeções, grafites, pinturas, etc), que não só divergem da sua postura institucional, e que podem ser interpretadas pela Comunidade Acadêmica e pelo público em geral, a falsa impressão de que a nossa Instituição seja conivente ou até colabore com manifestações como as que foram vistas;

3) As FIP não pactuam com manifestações como as apresentadas pelo fato de estarem em desacordo com a tradicional postura imparcial, respeitosa e isonômica que sempre veiculou em suas instalações e, também, por compreender que os seus espaços são de diálogos abertos sobre ideias – mas não de apologias a quaisquer atos, condutas e posicionamentos políticos;

4) Destaque-se que em razão dos excessos já foi formada uma comissão interna para averiguação dos fatos e, se for necessário, atitudes serão tomadas com relação aos responsáveis.

Feitos os presentes esclarecimentos, colocamo-nos à disposição de todos para maiores e melhores informações e reitera sua postura isonômica em defesa de uma educação comprometida com a ética e qualidade.

Patos-PB, 28 de setembro de 2018.

A DIREÇÃO

13 comentários

  • Thiago
    12:27

    Caso fosse aluno eu sairia dessa instituição pois ainda posso escolher / pagar pela educação que quero receber. Lamento perderam boas profissionais, fica a dica para os os professores da instituição/ moderalista que procurem melhoras e defenda a classe de professores.
    Esta instituição não representa a liberdade de expressão

  • Pinheiro
    12:27

    Democracia esquerdista, é assim quando se desfavorece a mesma.
    Pregar o comunismo e a destruição da família é o alvo dessas pessoas de má indole.

  • Dinaldo.com.br
    12:27

    Se quando os professores foram contratados e na contratação costa para não ser feito campanha política durante horário fe trabalho. Tem que ser respeitado a decisão da faculdade. Que ter liberdade de expressão em horário de trabalho abra sua empresa ou passe em concurso. http://Www.dinaldo.com.br

  • Ery
    12:27

    Um absurdo uma coisa dessa acontecer num país que quer ser sério. Acho que toda a manifestação é válida desde que seja pacífica, e quem não gosta, não é obrigado a participar. #ELENÃO

  • Alais Ribeiro Avila
    12:27

    Se eu pudesse, daria uma vomitada encima desse palavrório verborrágico, sem sentido e inútil dos dirigentes. Indignada não estou porque faculdades empresariais, como a FIP, são neoliberais e sempre tendem pra repressão. É o que a ultradireita sabe fazer.

  • Adri
    12:27

    Que nojo dessa instituição .

  • Paulo
    12:27

    Reacionária

  • Carlos Machado
    12:27

    #elenão

  • Dalva
    12:27

    A instituição que não prima pela Democracia e liberdade de expressão deve formar muito mal os seus alunos. Por isso, vamos lutar por Educação Pública e de qualidade. #Ele não!

  • Volmir Brutscher
    12:27

    Compreendo que as instituições precisam ter certos cuidados, mas esta reação “cheira a posicionamento político oculto contrariado”. Concordo que “educação ética e de qualidade” não pode se esconder na falsa ideia de que a educação é neutra. Viva a democracia! #Ele não!

  • Rodolfo Hiroshi
    12:27

    Sou aluno de pós graduação da FIP estou completamente enojado com essa prática antidemocrática da instituição, seja por favoráveis ou contrários. Minha manifestação será o imediato desligamento da instituição em busca de outra que zele pelo ambiente acadêmico democrático.

  • Watteau Ferreira Rodrigues
    12:27

    Esta Instituição deve ter uma pessima qualidade e não prima pela democracia. O movimento estudantil deve se posicionar em defesa da liberdade Constitucional de expressão e readmitir as professoras para que seus diretores e donos aprendam a respeitar a constituição e os direitos da pessoa humana. Fascistas NÃO passarão.

  • Waldeci Ferreira Chagas
    12:27

    Uma educação comprometida com a ética passa pelo respeito ao princípio da liberdade de expressão, manifestação e de ideias. Isso é ser ético. Defender a democrática.

Comentários