Documentos apreendidos na Operação Cartola podem gerar prisões

Imagens feitas às 6 horas em frente à casa da ex-presidente da FPF, Rosilene Gomes

A Operação Cartola, deflagrada hoje de manhã, pode gerar prisões. A informação foi dada por uma fonte policial ao ParlamentoPB. Segundo ela, o material apreendido através dos mandados cumpridos hoje é suficiente pra pedir prisão de alguns suspeitos.

A Polícia reforçou a importância de testemunhas contribuírem com as investigações. Qualquer denúncia sobre os fatos pode ser encaminhar à Delegacia de Defraudações.

“Temos muitas provas já coletadas. Mas só podemos divulgar depois da retirada do sigilo. Muita coisa já comprovada. Depende da justiça. Não tem como prever isso”, resumiu a fonte, que pediu para não ter sua identidade revelada.

A operação conjunta da Polícia Civil da Paraíba (através da 1ª SRPC – Superintendência de João Pessoa e Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa / DDF) e do Ministério Público da Paraíba (através do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado / Gaeco) foi deflagrada hoje de manhã e cumpriu mandados na sede da Federação Paraibana de Futebol e também nas residências do presidente da entidade, Amadeu Rodrigues, e do ex-vereador Zezinho Botafogo, além da ex-dirigente esportiva Rosilene Gomes.

“Chega a ser revoltante o que a gente conseguiu apurar”, disse o delegado Lucas Sá, responsável pelo andamento das investigações.

A Operação Cartola é resultado de mais de 6 meses de investigações e tem por objetivo apurar os crimes cometidos por uma organização composta por membros da Federação Paraibana de Futebol (FPF), Comissão Estadual de Arbitragem da Paraíba (CEAF), Tribunal de Justiça Desportiva da Paraíba (TJD/PB) e dirigentes de clubes de futebol profissional do Estado da Paraíba (CARTOLAS). Foi possível identificar a existência de dois núcleos principais, com aproximadamente 80 membros identificados, sendo o primeiro – liderança – formado por membros da FPF, CEAF e Dirigentes de clubes de futebol profissional. Este núcleo (CARTOLA) é responsável pelas decisões mais importantes relacionadas ao meio do futebol Paraibano e conta conta com uma sofisticada rede de proteção / elevado grau de articulação institucional.

O segundo núcleo identificado é formado por membros executores ligados à CEAF (arbitragem), funcionários da FPF e de clubes de futebol, que atuam segundo a direção / determinação do núcleo principal.

Dentre as principais condutas investigadas, destacamos a manipulação de resultados de campeonatos de futebol, adulteração de documentos, interferência em decisões da justiça desportiva (TJD) e desvio de valores oriundos de partidas de futebol profissional.

Em face do sigilo das investigações, os detalhes sobre o modo de atuação dos investigados, individualização das condutas e demais características da presente organização só poderão ser divulgados posteriormente, após a conclusão da fase investigativa e análise de todo o material apreendido.

Ao todo foram cumpridos 39 mandados de busca e apreensão, nas cidades de João Pessoa, Bayeux. Cabedelo, Campina Grande e Cajazeiras. O cumprimento dos mandados contou com a atuação de 230 policiais civis de diversas cidades da Paraíba.

Em nota distribuída à imprensa, as autoridades responsáveis ressaltaram que o desenvolvimento da Operação Cartola contou com o apoio fundamental de testemunhas dos fatos, com conhecimento detalhado das condutas praticadas, além do trabalho das equipes de monitoramento e vigilância da Polícia Civil, que analisaram centenas de documentos e realizaram diversas diligências durante os 06 meses de investigações. Outro aspecto importante a ser destacado está na competente e fundamental atuação da Justiça Criminal paraibana, através da 4ª Vara Criminal de João Pessoa, que analisou e deferiu as medidas cautelares relacionadas à operação.

Os envolvidos estão sendo investigados pelos crimes de organização criminosa, falsidade ideológica, manipulação de resultados (crimes do estatuto do torcedor) e por outras condutas sob apuração. Quaisquer denúncias sobre os fatos em apuração poderão ser encaminhadas através do disque denúncia da Polícia Civil (tel. 197 – sigilo garantido).

Lista dos investigados na Operação Cartola

AMADEU RODRIGUES – Presidente da FPF
FEDERAÇÃO PARAIBANA DE FUTEBOL (FPF)
ROSILENE DE ARAUJO GOMES – Ex-presidente da FPF
MARCOS SOUTO MAIOR – Advogado da FPF
JOSÉ RENATO (ZÉ RENATO) – Presidente da Comissão de Arbitragem
COMISSÃO ESTADUAL DE ARBITRAGEM (CEAF)
SEVERINO LEMOS (BINA) – Diretor de arbitragem da FPF
LIONALDO SANTOS – Presidente do Tribunal de Justiça Desportiva
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA DA PARAÍBA (TJDF)
ZEZINHO DO BOTAFOGO – presidente do Botafogo
MARAVILHA DO CONTORNO – Sede do Botafogo
BRENO MORAIS – Vice-presidente do Botafogo
BRENO MORAIS / EMPRESA NORDIL
DR ALEXANDRE – Advogado e vice-presidente jurídico do Botafogo
FRANCISCO SALES – Diretor do Botafogo (filho de Novinho)
WILLIAM SIMÕES – Presidente do Campinense Clube
SEDE DO CLUBE CAMPINENSE
JUAREZ LOURENÇO – presidente do Treze
SEDE DO CLUBE TREZE
FABIO AZEVEDO – Dirigente do Treze
ALANKARDEC CAVALCANTI – Dirigente do Treze
JOSIVALDO GOMES – Presidente do CSP
CLUBE CSP
SEDE DO CLUBE ATLÉTICO DE CAJAZEIRAS
RENAN ROBERTO – Árbitro de futebol da FPF
ADEILSON CARMO – Árbitro de futebol da FPF
JOSE MARIA DE LUCENA NETTO (NETO) – Árbitro de futebol da FPF
ANTONIO CARLOS DA ROCHA (MINEIRO) – Árbitro de futebol da FPF
JOÃO BOSCO SÁTIRO DA NOBREGA – Árbitro de futebol da FPF
ANTONIO UMBELINO – Árbitro de futebol da FPF
DIEGO ROBERTO – Árbitro de futebol da FPF
EDER CAXIAS – Árbitro de futebol da FPF
TARCISIO JOSE DE SOUZA (GALEGUINHO) – Árbitro de futebol da FPF
LUIS FILIPE – Árbitro de futebol da FPF
ÁDGUERRO XAVIER – Árbitro de futebol da FPF
JOSE ARAUJO DA PENHA (ARAUJO) – Funcionário da FPF
LUCAS ANDRADE – Funcionário da FPF
SONIA ANDRADE – Funcionário da FPF
BENEDITO DA PENHA MEDEIROS JUNIOR (BENINHA) – Filho de diretor do Botafogo

Comentários