Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Bolsonaro pediu e aprovou alteração em minuta golpista, que previa prisão de Moraes, Gilmar e Pacheco

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

A decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), que autorizou as prisões e buscas nesta quinta-feira (8) afirma que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teve acesso e pediu modificações na chamada “minuta do golpe”, mantendo a previsão de prisão de Moraes.

“Os elementos informativos colhidos revelaram que Jair Bolsonaro recebeu uma minuta de decreto apresentado por Filipe Martins [então seu assessor] e Amauri Feres Saad para executar um golpe de Estado, detalhando supostas interferências do Poder Judiciário no Poder Executivo”, diz a decisão do ministro.

“Ao final, decretava a prisão de diversas autoridades, entre as quais os ministros do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e Gilmar Mendes, além do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco”, continuou.

“Posteriormente foram realizadas alterações a pedido do então presidente, permanecendo a determinação de prisão do Ministro Alexandre de Moraes e a realização de novas eleições.”

Bolsonaro já foi condenado pelo TSE por ataques e mentiras sobre o sistema eleitoral e é alvo de diferentes outras investigações no STF (Supremo Tribunal Federal). Ele está inelegível até 2030.

A PF deflagrou nesta quinta a Operação Tempus Veritatis para apurar organização criminosa que teria atuado na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado democrático de Direito.

Ela teria tentado obter vantagem de natureza política com a manutenção do então presidente da República no poder mesmo depois de derrotado por Lula (PT) nas eleições.

As informações que embasaram a operação foram coletadas na delação de Mauro Cid, tenente-coronel que foi ajudante de ordens de Bolsonaro.

Entre as provas utilizadas pela PF para fundamentar o pedido da operação, estão mensagens de áudio encaminhadas por Cid para o general Freire Gomes, ex-comandante do Exército.

Segundo Moraes, essas mensagens “sinalizam que o então presidente Jair Messias Bolsonaro estava redigindo e ajustando o decreto e já buscando o respaldo do general Estevam Theophilo Gaspar de Oliveira (há registros de que este último esteve no Palácio do Planalto em 9/12/2022), tudo a demonstrar que atos executórios para um golpe de Estado estavam em andamento”.

‘Virada de jogo’

As mensagens analisadas pela PF apontam, segundo o ministro, que em novembro de 2022 Bolsonaro abandonou a ideia de aceitar a derrota nas urnas para “analisar a possibilidade de ‘virada de jogo’, como defendido por alguns militares, empresários e integrantes de seu governo”.

A PF cita nota assinada em 11 de novembro pelos comandantes das três Forças Armadas que dizia que elas permaneciam “vigilantes, atentas e focadas em seu papel constitucional na garantia de nossa Soberania, da Ordem e do Progresso” como importante para manter e intensificar manifestações antidemocráticas.

Depois disso, as mensagens mostram que houve tratativas para a realização de reuniões com integrantes civis do governo e das Forças Armadas “para a finalidade de planejar e executar ações voltadas a direcionar e financiar as manifestações que pregavam um golpe militar, com a finalidade de manter o então presidente da República Jair Messias Bolsonaro no poder”.

Nesta quinta, a PF cumpriu mandados de busca e prisão contra ex-ministros de Bolsonaro e militares envolvidos na suposta tentativa de golpe para manter o ex-presidente no poder.

Entre os alvos das medidas estão os ex-ministros general Augusto Heleno, Braga Netto e Anderson Torres. Também são alvos outros militares.

A ação foi batizada de Tempus Veritatis e investiga uma organização criminosa que, diz a PF, atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito “para obter vantagem de natureza política com a manutenção do então presidente da República no poder.”

Além das prisões e buscas, a PF também cumpre medidas diversas como a proibição de manter contato com os demais investigados, proibição de se ausentarem do país, entrega dos passaportes no prazo de 24 horas e suspensão do exercício de funções públicas.”

São cumpridos mandados nos estados de Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná e Goiás e no Distrito Federal.

Atuação em vários núcleos

Segundo a PF, as investigações apontam que o grupo investigado se “dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas Eleições Presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital.”

Primeiro, diz a Polícia Federal, o grupo atuou para construir e propagar a versão de que havia tido fraude na eleição de 2022, “por meio da disseminação falaciosa de vulnerabilidades do sistema eletrônico de votação, discurso reiterado pelos investigados desde 2019 e que persistiu mesmo após os resultados do segundo turno do pleito em 2022.”

Em seguida, foram desenvolvidos atos concretos para “subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, através de um golpe de Estado, com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível.”

 

 

Com Folha Online

 

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Arthur Urso leva “esposas” para passear sem roupa íntima na orla de João Pessoa

Professores da UFPB desistem de candidatura e apoiam Terezinha e Mônica

Anteriores

Jucélio Dantas é acusado de assassinar kaliane Medeiros

‘Caso Kaliane’: Acusado será julgado hoje pela morte da ex-companheira

Raios em JP

Paraíba tem aumento de mais de 40% na quantidade de raios no primeiro trimestre de 2024

Polícia Civil, homicídios 1

Pai que matou filho ao defender a mãe continua foragido

Sérgio Queiroz 2 22

Queiroz aceita ser vice de Queiroga: “Quem quiser ser grande, seja servo “

Arlenilson Pereira

Suspeito de 4 assassinatos e outros crimes, homicida mais procurado em Campina é preso em SC

CMJP 30

Câmara terá semana com entrega de títulos e debate sobre empreendedorismo feminino

São João de Campina Grande

Empreender PB abre vagas para comerciantes que irão atuar nos festejos juninos de Campina Grande

Acidente na Epitácio Pessoa

Motociclista morre em acidente na Avenida Epitácio Pessoa

Atendente de lanchonete, freepik

Sine-JP oferta 297 vagas de trabalho em diversas áreas a partir desta segunda

agassizalmeida

Morre em João Pessoa ex-deputado constituinte e jurista Agassiz Almeida