Adolescentes afirmam à Polícia que mulher de empresário dirigia carro que atropelou ciclista

Três adolescentes foram ouvidos pela polícia na noite de ontem (1º) e afirmaram que era a mulher que estava dirigindo o veículo que atropelou um ciclista na avenida principal de Quadramares, no início da manhã dessa quarta-feira.

No Renault Capture que atingiu a vítima estava uma família que voltava de uma festa de reveillon. O ciclista era o pedreiro Valmir Pedro de Brito, de 43 anos, que seguia na faixa ciclofaixa e foi surpreendido pela invasão do veículo.

O caso tem alguns fatos estranhos. Um deles é que o motorista causador do atropelamento não foi identificado. Testemunhas disseram que era um homem quem conduzia o automóvel, mas ele alegou que seria a esposa.

Os adolescentes foram ouvidos por volta das 20h na Central de Flagrantes. Eles disseram que estavam a cerca de três metros do local do acidente e garantiram que era a mulher do empresário que dirigia o carro, contradizendo depoimentos outras testemunhas do caso, que afirmaram que o empresário é quem estava dirigindo e teria trocado a direção com a mulher após o atropelamento.

Confusão

No local onde o ciclista foi atingido pelo carro, os vizinhos, dentre os quais o advogado Diego Lima, cobravam que os agentes do Batalhão de Policiamento de Trânsito realizassem o teste do bafômetro com o casal, cujos nomes não foram revelados. Em meio à confusão, Diego disse que por pouco não foi preso. Imagens da abordagem dos policiais ao advogado circularam pelos grupos de WhatsApp atribuindo a ele o crime, o que não procede.

“Eu fui cobrar a realização do teste do bafômetro porque claramente os policiais estavam tentando proteger o responsável pelo atropelamento que estava embriagado. Soube que é um usineiro, dono de uma loja de motocicletas. Ele foi visto por duas pessoas dirigindo o veículo no momento do atropelamento, mas quer dizer que a esposa é que estava conduzindo porque ela não estava embriagada”, disse Diego ao ParlamentoPB.

Daniel Alves, uma das testemunhas do atropelamento, acusou o empresário de agressão física: “Ele ia fazer uma ultrapassagem pela direita quando acertou o rapaz. Quando o carro parou, eles trocaram de lugar. Ele ainda me bateu. Tem dinheiro, né? Eu tenho certeza que era ele dirigindo”, disse.

A família e as testemunhas foram levadas para a Central de Polícia, onde o teste do bafômetro foi realizado somente três horas depois. Mesmo assim, o nível de embriaguez do suspeito era alto, embora não tenha sido divulgado o número exato. O representante do BPTran, Emmanoel Cavalcante disse que o bafômetro não foi utilizado no local do crime porque havia “muita confusão”. “O exame foi feito na delegacia e não prejudicou em nada. No rapaz, deu positivo, mas infelizmente pelo processo, o delegado não deixou revelar o valor. Mas, deu alto e criminal. O que eu posso dizer é isso”.

O delegado Luiz Gonzaga está conduzindo o caso.

O casal foi liberado ontem mesmo, após prestar depoimento, onde  o empresário garantiu que era sua esposa que estava ao volante na hora do acidente.

O ciclista está internado no Hospital de Emergência e Trauma em estado grave.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.