Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

‘A mãe’, longa de Cristiano Burlan, com Marcélia Cartaxo, abre o 50° Festival de Gramado

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

A noite dessa sexta-feira, 12, no 50° Festival de Cinema de Gramado, que se estende até o próximo sábado, 20, tem um especial significado para o cinema paraibano. A atriz Marcélia Cartaxo interpreta a protagonista Maria, uma mãe em uma trágica busca pelo filho desaparecido. Dirigido e roteirizado pelo gaúcho Cristiano Burlan, ‘A mãe’ (2022, 96 min) teve estreia mundial no festival de Málaga, na Espanha, em maio deste ano. Essa é a primeira vez que o filme foi exibido no Brasil. Um dos festivais mais longevo e prestigiado do país, Gramado já laureou Marcélia como Melhor Atriz na sua edição de 2019 por ‘Pacarrete’, de Allan Deberton. 

Com roteiro de Cristiano Burlan e Ana Carolina Marinho, ‘A mãe’ é o 18° filme de Cristiano Burlan como diretor, que também escreve os roteiros de seus próprios filmes e de outros diretores, além de atuar em alguns deles, como ‘As órbitas das águas’ (2017) de Frederico Machado. A paraibana de Cajazeiras, Marcélia Cartaxo, tem emplacado como protagonista um filme atrás do outro. Depois do estrondoso sucesso de ‘Pacarrete’, que também teve as atrizes paraibanas Zezita Matos e Soia Lira (Melhor Atriz Coadjuvante também no Festival de Gramado), ‘A mãe’ proporciona à atriz uma nova possibilidade de fazer bonito. Atualmente, Marcélia está em processo de filmagem do novo longa-metragem da cineasta e diretora de arte Renata Pinheiro, uma referência do cinema pernambucano e brasileiro. 

Autor da Trilogia do Luto, composta pelos filmes ‘Elegia de um crime’ (2018), ‘Mataram meu irmão’ (2013) e ‘Construção’ (2006), este um média-metragem de 47 minutos. Os dois primeiros estão inseridos na categoria de autobiográfico, um subgênero do documentário. O cineasta restringe o campo temático à sua própria existência, sendo ele mesmo objeto do seu documentário. Para o teórico estadunidense Bill Nichols, o documentário performático enfatiza a subjetividade numa esfera tradicionalmente pautada pela objetividade, com o mundo histórico sendo tematizado a partir da experiência pessoal do cineasta. É o que faz Burlan, de forma despojada e sincera na exposição pública de sua tragédia particular.

Poucos conseguem a originalidade dos filmes ‘Mataram meu irmão’ e ‘Elegia de um crime’. São obras catárticas, viscerais, surgidas da profunda necessidade de exteriorizar uma dor. Em ‘A mãe’, não é diferente. A jornada de Maria (Marcélia Cartaxo) à procura do filho não deixa de ter uma proximidade com a existência do diretor, marcada pela tragédia social do país. O filho dela pode ter sido assassinado por policiais militares em mais uma de suas ações genocidas na periferia de São Paulo. Maria tem de descer aos infernos para encontrar o fruto de seu ventre.

O PASTOR E O GUERRILHEIRO – Direção: José Eduardo Belmonte – “Na virada do milênio, Juliana, filha ilegítima de um coronel que comete suicídio, descobre que seu pai foi torturador durante a ditadura militar no Brasil.” – Foto: @LipeDuq

No documentário ‘Elegia de um crime’, o diretor mergulha de forma profunda numa etnografia doméstica ao viajar à Uberlândia, Minas Gerais, para exorcizar a dor da perda de sua mãe adotiva, Isabel Burlan, assassinada pelo companheiro em 2011. É um filme autobiográfico e “de busca” (conceito de Jean-Claude Bernadet) também movido pela esperança de encontrar o assassino e entregá-lo à justiça. Na ficção, por seu turno, é a mãe que busca desesperadamente encontrar o filho.  ‘Mataram meu irmão’, também um documentário sobre outro drama familiar do diretor –  que durante sua realização tinha um segundo irmão no presídio em Cuiabá e cuja voz depõe para o filme através de uma ligação telefônica. É também uma reflexão sobre a violência e o abandono da população periférica das grandes cidades brasileiras

O PATO – Direção: Antônio Galdino – “Cida (Norma Góes), decide acabar com o ciclo de violência em sua casa, e ser um exemplo para sua filha, Fia (Ana Julia).”

Marcélia Cartaxo estava desde o início no projeto do filme. Burlan não via outro rosto para representar Maria, uma personagem tão marcada pelo sofrimento. Um rosto, segundo ele, “que reflete a dureza da vida, mas também sua inocência e compaixão.” O irrequiteo Burlan está em fase  de finalização do longa-metragem de ficção, ‘Ulisses’, e em pré-produção do documentário ‘Antunes Filho, do olho para o coração’, uma produção da SescTV. A participação paraibana em Gramado tem ainda o curta-metragem ‘O pato’, de Antonio Galdino, e o longa ‘O pastor e o guerrilheiro’, (DF, 2022) de Eduardo Belmonte que tem no elenco o ator Buda Lira (‘Aquarius’ e ‘Bacurau’).

 

 

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

UEPB: uma crise democrática

Confusão continua: TRE nega ter chancelado posse de Raissa Lacerda na Câmara

Anteriores

Wellington Farias 2

Wellington Farias será homenageado no Caminhos do Frio em Serraria

Paulo Braz de Moura, prefeito Poço José de Moura

Pleno do TJPB recebe denúncia contra prefeito de Poço José de Moura

Harrison Targino, presidente da OAB-PB

OAB-PB aprova resolução que atualiza tabela de honorários da advocacia previdenciária

Cícero Lucena assina ordem de serviço na Penha

Cícero autoriza obras na Penha, que vai chegar a 100% das ruas pavimentadas

Chuvas e rede elétrica

Meteorologia prevê fim de semana com chuvas em João Pessoa, Campina e outras cidades

Forró Preto no Branco

Funjope leva autêntico forró nordestino para mercados públicos nesta sexta

Santanna no são joãode cg

Santanna e Zé Vaqueiro abrem nesta sexta-feira o São João de Bananeiras

Cícero e o Crea-pb

Crea-PB e Prefeitura de João Pessoa Firmam acordo de cooperação técnica

João Azevêdo 26

João autoriza aumento no número de convocados do concurso da PM e Bombeiros

Lily Sanfoneira

Projeto Café no Forró continua neste fim de semana na Usina Cultural Energisa