Weick afirma que venda de folha do Estado ao BB evitou empréstimo para 13º

O secretário-chefe da Casa Civil do Governo do Estado, Marcelo Weick, explicou que a venda da folha de pagamento do Banco do Brasil não podia esperar para acontecer em janeiro de 2010, quando acabava o contrato com o Banco Real. Ele explicou que a negociação com a instituição foi demorada e traumática, mas que precisava ser concretizada com rapidez para que o dinheiro obtido fosse usado para o pagamento do 13º salário do funcionalismo. Sem isso, segundo ele, os servidores públicos estaduais seriam obrigados a receber através de empréstimo pessoal, como aconteceu no governo de Cássio Cunha Lima (PSDB).

"As negociações com o Banco do Brasil e com o Banco Real foram demoradas e traumáticas. A verdade é que nós precisávamos cumprir rigorosamente o pagamento do 13º e da folha de dezembro. Precisávamos vender a folha e fazer a migração de contas senão teríamos problemas no cumprimento das datas para que o servidor tivesse o dinheiro do 13º e do salário de dezembro, para que ele não tivesse o desprazer de fazer empréstimo pessoal para receber", declarou Weick.

A folha de pagamento do Estado foi negociada por R$ 210 milhões e o cadastramento de contas dos servidores públicos estaduais acontece até o dia 23 deste mês. Nesta sexta-feira, 18, começa o pagamento do 13º e quem quiser receber nesta data precisa enfrentar filas demoradas para abrir sua conta do Banco do Brasil.

Os locais para o cadastramento são os seguintes: em João Pessoa, no Espaço Cultural José Lins do Rego; em Campina Grande, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB); nas cidades de Guarabira, Patos, Sousa e Cajazeiras os servidores estaduais farão o cadastro nas agências do Banco do Brasil.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.