Vice-presidente do PSB descarta aliança com o PMDB e critica “totalitarismo”

O vice-presidente do PSB na Paraíba, Edvaldo Rosas, que também ocupa a Secretaria de Articulação Política da Prefeitura de João Pessoa, descartou totalmente uma reaproximação do seu partido com o PMDB tendo em vista as eleições ao governo estadual no próximo ano. A tese de reaproximação surgiu de alguns peemedebistas e de ex-parlamentares do PSB como Manoel Júnior, Carlos Batinga e Nadja Palitot.

“O PMDB da Paraíba praticamente nos colocou na oposição, quando rasgou compromissos da campanha de 2006 e passou a intervir em nosso partido, atacando nossa maior liderança, o prefeito Ricardo Coutinho. Esses que estão tentando recompor-se com a gente foram os mesmos que pensavam que o PSB se curvaria ao coronel que está instalado no Palácio da Redenção. Deixaram o partido, viram a besteira que fizeram e agora estão arrependidos querendo Ricardo de volta, tudo por causa das pesquisas que nos colocam à frente para governar esse Estado a partir de 2011”, afirmou Edvaldo Rosas.

Segundo o vice-presidente do PSB, várias ofertas já foram feitas para os socialistas no sentido de compor uma chapa com o PMDB em 2010, até dando a garantia de que Ricardo Coutinho seria o candidato único desse bloco ao Governo em 2014.

“Não estamos interessados em negociatas. O que nos move é o sentimento de mudar o mundo, começando pela nossa cidade, onde já fizemos as mudanças que o povo exigia e agora será a vez do Estado, onde faremos uma frente ampla de partidos respaldada em um projeto de desenvolvimento sustentável e contra o totalitarismo instalado no Palácio da Redenção, que quer dominar os partidos políticos, entidades da sociedade civil, os movimentos sociais, o judiciário, a Assembléia Legislativa, a imprensa e até algumas igrejas. Vamos reagir”, conclamou Edvaldo Rosas.
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.