Vereador suspeito de compra de votos é flagrado com dinheiro na cueca

Um vereador do município de Desterro foi preso hoje em Cacimba e levado a Patos por agentes da Polícia Federal sob suspeita de operar um esquema de compra de votos. O delegado Rodrigo Carvalho informou ao Parlamentopb que a prisão foi feita pela Polícia Militar na zona rural de Cacimbas. O parlamentar, Gilmar Nogueira, mantinha R$ 4.020 na cueca. A quantia estava dividida em notas de R$ 20. Além do dinheiro na cueca, o parlamentar teria quatro páginas contendo nomes de eleitores que pretendia cooptar. Ao todo, a lista continha 212 nomes e cada um deveria receber pela promessa de voto R$ 20.

– Dá a entender que ele já tinha comprado alguns, mas o motivo da prisão foi a corrupção ativa porque ele ofereceu o dinheiro que tinha aos policiais militares, para que não fizessem o flagrante e deixassem ele fugir. Mas, os policiais não aceitaram e o encaminharam à Polícia Federal. Nós registramos o fato, comunicamos à Justiça Eleitoral e já o encaminhamos ao presídio de Patos – disse o delegado Rodrigo Carvalho.

Também de acordo com o delegado da Polícia Federal, o vereador preso não falou nada durante a inquirição:

– Ele expressou o direito de permanecer calado.

Gilmar Nogueira transportava consigo material de campanha do governador José Maranhão (PMDB), candidato à reeleição.

A respeito do crime, a PF de Patos emitiu a seguinte nota:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL
MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DA PARAÍBA
DELEGACIA DE POLÍCIA FEDERAL EM PATOS/PB


NOTA À IMPRENSA

Polícia Federal de Patos prende vereador do município do Desterro por corrupção ativa e compra de votos

Por volta das 23h00min do dia 29/10/2010, no município de Cacimbas, a Polícia Militar efetuou a prisão em flagrante de um vereador do município de Desterro que estaria comprando votos pelo valor individual de R$ 20,00. Foi encontrado em poder deste vereador R$ 4.020,00 armazenados na cueca e nas meias, além de listagem com nomes de pessoas e cálculos numéricos informando da intenção de cooptar, de forma ilícita, 212 eleitores. Além da quantia em dinheiro, também foi encontrado com o parlamentar material de propaganda do candidato ZÉ MARANHÃO.

A prisão em flagrante ocorreu em virtude da prática de corrupção ativa por parte deste vereador, que tentou subornar os policiais militares oferecendo a quantia acima citada para não ser trazido à sede da Polícia Federal em Patos.

Setor de Comunicação Social da Polícia Federal de Patos (Permitida a divulgação desde que citada a fonte)

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.