Vereador é acusado de emitir 20 cheques sem fundos

O deputado estadual Branco Mendes (DEM) denunciou ontem que o ex-presidente da Câmara Municipal de Pitimbu, Marco Aurélio, soltou mais de 20 cheques sem fundos no período de indefinição sobre a Mesa Diretora, de janeiro até agora. A indefinição começou quando Marco Aurélio, segundo o deputado, tentou impor sua reeleição a presidente da Câmara com os votos de apenas quatro dos nove vereadores.

 
O caso foi parar na Justiça. Os cinco, liderados pelo vereador Elcias Azevedo, recorreram ao juiz da Comarca, que mandou fazer nova eleição. Elcias foi eleito, mas Marco Aurélio recorreu ao Tribunal de Justiça, onde obteve liminar e permaneceu no comando da Casa.
 
Mas Elcias recorreu. No vai e vem das liminares, a Câmara ficou sem comando por quase dois meses. Resultado: salários de servidores e vereadores atrasados, água, luz e telefones cortados. Um verdadeiro caos, no entendimento do deputado Branco Mendes.
 
“Entramos na Justiça e o juiz da Comarca de Caaporã deu ganho de causa aos cinco vereadores, mandando realizar uma nova eleição, o que foi feito em fevereiro”, continuou o parlamentar. O deputado acredita que o novo presidente da Câmara de Pitimbu, a partir de agora, realizará um trabalho sério e voltado para os interesses do Município.
 
O novo presidente, segundo ele, está levantando o número de cheques sem fundos expedidos pelo ex-presidente, “o que é uma vergonha para o município”, afirmou o deputado. O ex-presidente Marco Aurélio não foi localizado ontem à tarde pela reportagem para rebater as acusações do deputado estadual.
 
 
Correio da Paraíba
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.