Trabalhadores encerram greve de fome no Incra

Os seis posseiros da fazenda Quirino, Juarez Távora, mais dois da fazenda Antas, em Sapé, que estavam em greve de fome desde às 7h terça-feira (2), na sede do Incra, em João Pessoa, encerrararam a manifestação no final da tarde desta sexta-feira (4).   

Quatro dos trabalhadores, da fazenda Quirnino passaram 82 duas horas de greve de fome. Os outros quatro, da fazenda Antas, ficaram 34 horas de  jejum, também na sede do Incra.

A decisão de encerrar a manifestação ocorreu em virtude da comunicação do superintendente do Incra/PB, Frei Anastácio, de que houve avanços nas negociações das reivindicações dos trabalhadores, em Brasília. Em relação à fazenda Quirino foi anunciado que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) já despachou o processo que vai definir a manutenção do decreto de desapropriação das terras, para o TRF (Tribunal Regional Federal) 5ª Região, em Recife, onde deverá ser julgado.

No tocante à fazenda Antas, em Sapé, foi informado por Frei Anastácio que, através do assessor especial do Gabinete Adjunto e de Gestão e Atendimento da Presidência da República, Paulo Roberto Martins Maldos realizou reunião com o chefe de gabinete do presidente da República, Gilberto Carvalho, que garantiu que o advogado geral da União irá agilizar a tramitação do processo  que vai definir a posse da terra para os trabalhadores. O processo está com o ministro relator Joaquim Barbosa do STJ.
     
Para a irmã Tânia Maria, da coordenação da CPT – Comissão Pastoral da Terra -, a atitude dos trabalhadores foi importante, apesar de ser um risco para a saúde. “O jejum dos trabalhadores, na nossa opinião, conseguiu desemperrar os processos, que há anos, estavam parados. Acreditamos que agora teremos uma solução para as duas fazendas, sem necessitar que os trabalhadores voltem a tomar atitudes semelhantes a que  realizaram na sede do Incra”, disse Tânia.

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.