Solicitada interdição judicial do hospital de Cachoeira dos Índios

O Ministério Público da Paraíba ingressou com pedido de liminar solicitando ao juiz da 4a. Vara da Comarca de Cajazeiras a interdição judicial do Hospital e Maternidade Josefa Bandeira de Souza, localizada no município de Cachoeira dos Índios, a 481,6 quilômetros de João Pessoa. O promotor  de Justiça titular da Promotoria de Saúde de Cajazeiras, Leonardo Cunha Lima de Oliveira, também propôs ação civil pública para condenar a prefeitura de Cachoeira dos Índios a fornecer aos 8,6 mil  cachoeirenses que dependem exclusivamente do hospital serviços de saúde hospitalar adequados e de qualidade, sanando de forma definitiva as irregularidades constatadas em inspeções realizadas pelo Conselho Regional de Medicina (CRM/PB) e pela Vigilância Sanitária.

Os problemas existentes no hospital de Cachoeira dos Índios já foram denunciados pelo CRM/PB, em 2008. De acordo com o chefe do Setor de Fiscalização do CRM, Eurípedes Mendonça de Souza, a situação encontrada no hospital era “caótica”. “Fizemos uma fiscalização de rotina no ano passado e nunca vi uma situação tão caótica como aquela. No hospital havia comida com prazo de validade vencido, a água oferecida não passava por nenhum tipo de tratamento e as condições de higiene eram precárias. A situação era de risco e era preciso fechar imediatamente o hospital. Fizemos uma interdição ética e a Vigilância Sanitária também interditou o hospital”, explicou.

Frente às irregularidades denunciadas pelo CRM/PB, o promotor de Justiça instaurou, em abril deste ano, procedimento administrativo, notificou a prefeitura e cobrou providências. Embora o Executivo municipal tenha informado ao MP que os problemas noticiados pelo conselho haviam sido sanados, o promotor de Justiça constatou que o hospital não tem condições de funcionamento e que continua apresentando diversas e “gravíssimas” irregularidades. “Diante de tão lamentável quadro, pleiteamos pela interdição judicial provisória do hospital e maternidade já que o seu funcionamento nas condições atuais poderá causar dano irremediável à vida e à saúde dos usuários, uma vez que a população está exposta aos riscos de um hospital que presta um serviço de saúde inadequado, inseguro, ineficiente e descontínuo”, argumentou Leonardo.

Problemas são gravíssimos – Dentre os problemas constatados pelo Ministério Público estão a insuficiência de enfermeiras; a ausência de Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) e de revisão de prontuários médicos; a inexistência de material de ressuscitação cardiopulmonar (laringoscópio, ambus, lâminas de vários tamanhos, cânulas orotraqueais, guedel, oxímetro e desfibrilador ou cardioversor) e de medicamentos como anticonvulsivantes e a ausência de material de urgência e emergência nas enfermarias, por exemplo.

O MP também constatou que a ambulância da unidade está quebrada e sem funcionamento; que os ambientes não possuem telas (o que facilita a entrada de moscas e outros insetos); que a estrutura física de conservação do prédio é bastante precária e que o hospital apresenta serviço de higiene deficitário, reutilizando, inclusive, materiais descartáveis.

A sala de esterilização da unidade não tem tela e a estufa está desativada e vazada. “O sanitário da pediatria está em deplorável situação de higiene e em precárias condições de funcionamento dos equipamentos; o lixo está espalhado pela área externa do hospital; há ausência de medicamentos essenciais e o processo de esterilização é inadequado”, acrescentou o promotor.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.