Mário Tourinho

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal


Sobre nossas praias!…

Elaboro estes  escritos motivado pela notícia de que, independentemente de cores partidárias, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, recentemente se reuniu, em Brasília, com a bancada federal paraibana e juntos estiveram no Ministério de Desenvolvimento Regional com vistas à liberação de verbas para o projeto de preservação da barreira do Cabo Branco, em relação a cujo problema – seu contínuo desmoronamento – bem me lembro que o imortal jornalista/cronista Nathanael Alves já escrevera lá ao início dos anos 80. A propósito, há uns 4 anos, diante do informe de que a barreira do CB estaria recuando, por desmoronamento, cerca de 40 centímetros por ano, chamei a atenção que esse dado representava que em 30 anos esse recuo correspondia a 12 metros, ou seja, nesse período de tempo perdemos 12 metros da barreira do Cabo Branco!

O mais  importante, hoje, porém, é que a classe política parece estar bem mais consciente quanto ao republicanismo e a interinstitucionalidade,  cônscia de que, se efetivamente os agentes públicos, sobretudo parlamentares e governantes, querem mesmo propugnar pela crescente melhoria da qualidade de vida do povo, unam-se, reúnam-se e guardem suas divergências político-partidárias para o exato tempo das respectivas eleições.

Todos paraibanos, especialmente os da Grande João Pessoa, já constatamos o quanto bela é nossa orla marítima, e, em alguns trechos, como no do Cabo Branco, principalmente à noite! Mas, nossa praia, à noite,  não é tão uniforme assim não, desde o Seixas ao Bessa, muito menos até Intermares, Poço, Camboinha… Não! Sua maior beleza está no Cabo Branco.

Entretanto,  esse cenário de beleza noturna pode, sim, efetivar-se!

O que falta?!…

Penso que só a união de esforços, portanto, unindo-se e se reunindo Prefeituras de João Pessoa e de Cabedelo, obviamente também o Governo do Estado, e, com a mesma bancada federal aqui já mencionada, buscarem a viabilização de recursos financeiros necessários a que esta região da Grande João Pessoa (já abençoada pela natureza com a dádiva de ser região litorânea) dê aos seus cenários o tratamento adequado como área fortemente turística (e envaidecedora dos que já são desta terra)! E assim poríamos fim a esse fato de ainda termo setor, como no Bessa, em que, passeando pela calçadinha, à noite, nem percebermos sua beira-mar, tal a escuridão existente, porquanto as luminárias focam só a via de circulação dos veículos e a própria calçadinha.

Com republicanismo e prática da insterinstitucionalidade fica bem possível!

Comentários