Sindeletric prepara dossiê da Energisa para Ministro do Trabalho

Vários eletricitários participaram ontem de uma assembléia na frente da Energisa, em João Pessoa. O deputado federal Luiz Couto, representantes da FNU, da CUT, dos Sindicatos dos Ferroviários, Têxtil, Construção Civil e Eletricitários da Bahia, também participaram do movimento que discutiu a situação dos trabalhadores da Energisa que denunciam a demissão de mais de 50 pessoas na companhia.

Para o vice-presidente da Federação Nacional dos Urbanitários e diretor do Sinergia Bahia, Paulo de Tarso, essas demissões que vem ocorrendo na Energisa não condizem com a realidade do governo democrático instalado hoje no Brasil e, por isso, a federação vai encaminhar um dossiê feito pelo Sindeletric/PB contendo as irregularidades da empresa para o Ministro do Trabalho Carlos Luppi.  Esse dossiê vai ser encaminhado através do gabinete do deputado federal Luiz Couto que pediu ao Sindeletric/PB um relatório das irregularidades da empresa para que ele possa fazer um pronunciamento na Câmara dos Deputados em Brasília o mais breve possível.

Conforme foi veiculado no próprio informativo da Energisa, essas demissões são oriundas de uma nova estrutura organizacional que está sendo implantada e da chegada de novos diretores, inclusive um deles veio da Coelba, na Bahia, onde era conhecido como “o diretor das terceirizações”.  Para Paulo de Tarso, esse novo diretor deveria implantar aqui na Energisa o que tem de bom na Coelba. Segundo ele, na empresa de distribuição de energia elétrica da Bahia os trabalhadores têm um piso salarial de R$ 850,00, um excelente plano de saúde, e tiveram uma PLR em média de R$ 7.200,00. Uma realidade muito distante da vivida pelos trabalhadores da Energisa que tiveram uma PLR de R$ 1233,00, finalizou Tarso.

O presidente do Sindeletric/PB Manuel Henrique disse que o sindicato vai tomar todas as providências para que novas demissões não ocorram na empresa e para que práticas anti-sindicais não sejam praticadas dentro da Energisa como se fossem práticas legais.

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.