Sessão discute escassez de água em Puxinanã

A escassez no abastecimento de água em seis municípios paraibanos motivou a realização de uma sessão itinerante da Assembleia Legislativa na Câmara Municipal de Puxinanã na tarde de ontem. O município fica a 129 quilômetros de João Pessoa.

A construção de uma adutora no Distrito de São José da Mata pelo Governo do Estado é a principal proposta apresentada pelo líder da bancada de oposição na Assembleia, deputado estadual Manoel Lugdério (PDT), autor do requerimento da sessão. A obra de R$ 10 milhões, segundo ele, estaria prevista na Lei de Orçamento Anual 2008 aprovada pelo Poder Legislativo no final do ano passado.

“Os recursos já existem, assim como um estudo de viabilidade técnica. Portanto, o que a falta é a sensibilidade do Governo para que determine a execução dessa obra”, considerou.

A adutora beneficiaria diretamente uma população de aproximadamente 40 mil pessoas que vivem nos municípios de Areial, Puxinanã, Montadas e Pocinhos. O presidente da Companhia de Abastecimento de Água e Esgoto do Estado da Paraíba (Cagepa), Edísio Souto não compareceu à sessão e foi representado pelo engenheiro Expedito Honório Ribeiro que trabalha na sede do órgão em Campina Grande.

A sessão foi realizada no plenário Vereador José Gomes de Souza e presidida pelo deputado estadual João Henrique (PSDB). Além dele e de Manoel Ludgério, também estavam representando a Assembleia Legislativa, os parlamentares da bancada de oposição Romero Rodrigues (PSDB), Francisco de Assis Quintans (PSDB), Jacó Maciel (PDT), João Gonçalves (PSDB) e dos deputados da bancada de sustentação Guilherme Almeida (PSB) e Arnaldo Monteiro (DEM). Além dos parlamentares, vereadores, prefeitos e centenas de populares lotaram a Casa de Zoroastro Coutinho. Aproximadamente 150 pessoas acompanharam a sessão.

O deputado Guilherme Almeida pontuou que a discussão sobre a escassez de água na Paraíba é um tema que ultrapassa as questões partidárias. “Não estamos aqui para fazer política, mas sim, no sentido de absorver as demandas para levá-las ao governo”, garantiu.

Ele adiantou que um acordo de lideranças da Assembleia vai viabilizar a realização, todos os meses, de sessões itinerantes do Poder Legislativo na busca de alternativas para os problemas que atingem a população.

Representando a Cagepa, o engenheiro da Cagepa explicou que a adutora de São José da Mata só poderá ser construída após estudos técnicos como o dimensionamento da vazão e a viabilidade ecnômico do projeto. Além disso, Expedito afirmou que o processo de avaliação técnica é que ira determinar de onde virá à água para a adutora que está sendo proposta.

“Uma obra como esta, mesmo em caráter de urgência não pode ser concluída antes de seis meses. Atualmente, existem as opções de dois reservatórios: o sistema Boqueirão ou o de Camará, que será reconstruído”, esclareceu. Ainda de acordo com Expedito, as sugestões apresentadas durante o debate da Assembleia serão encaminhadas ao presidente da Cagepa, Edísio Souto.

O deputado estadual Francisco de Assis Quintans, um dos primeiros parlamentares a chegar em Puxinanã sugeriu a construção de chafarizes ao longo das comunidades que vivem nas proximidades das adutoras de água.

Quintans que já atuou como secretário de Estado da Agricultura durante a gestão de Cássio Cunha Lima, elogiou a iniciativa da Assembleia em realizar o debate em Puxinanã. “Como integrantes do Poder Legislativo representamos o povo. Quando a Casa a toma a decisão de se deslocar para o interior para discutir os problemas da população demonstra ter responsabilidade de oferecer melhores condições de vida à população paraibana”, pontuou.
 

Comentários