Secretaria de Saúde lança nota e diz que mortes de bebês foram fatalidades

A Secretaria de Saúde de João Pessoa emitiu hoje uma nota na qual comenta as três mortes de bebês que aconteceram na Maternidade Cândida Vargas. Segundo o documento, os óbitos decorreram de fatalidades e não foram causados por falta de assistência.

Leia a íntegra da nota:

Secretaria de Saúde de João Pessoa

NOTA
 
Em virtude de fatalidades envolvendo a morte três bebês no Instituto Cândida Vargas, a Secretaria de Saúde de João Pessoa vem, a público, esclarecer à população:

1)  O Instituto Cândida Vargas está apurando as causas que levaram às três ocorrências, mas faz questão de ressaltar que todos os procedimentos médicos definidos pelo Sistema Único de Saúde foram realizados nas três pacientes, não faltando, portanto, a assistência devida.

2)  Nos dois primeiros casos – uma adolescente de 14 anos e uma mulher de 42 anos e diabética – ficou claramente constatado que se tratavam de gravidez de alto risco. As duas pacientes não fizeram pré-natal no Instituto Cândida Vargas e nem nas maternidades das cidades onde residem.

3)  Já o terceiro caso envolve a situação de um bebê, nascido com seis meses de gestação e apenas 615 gramas. Ele ficou sob os cuidados da UTI neo-natal do ICV, mas não resistiu, em virtude do nível extremo de prematuridade.

4)  A informação divulgada de forma equivocada de que o bebê prematuro teria sofrido traumas em um exame não condiz com a verdade. Exames de Raio-X comprovam que a estrutura da criança não sofreu dano algum, seja antes, durante ou após o parto. Existem relatórios médicos que também atestam a integridade do bebê.

5)  No que diz respeito aos pedidos e solicitações do Ministério Público é importante ficar claro que todas as informações e relatórios serão encaminhados, já que é do total interesse da Secretaria de Saúde do Município de encontrar as causas para as ocorrências.

6)  O próprio promotor da Saúde descartou a possibilidade de interdição na Maternidade e alegou, durante visita, que a falta de médicos e de serviços nos demais municípios da Paraíba está sobrecarregando João Pessoa. Prova disso é o fato de que uma paciente vinda de Gurinhém passou por dois hospitais antes de chegar a João Pessoa. No primeiro, não havia médico e no segundo recebeu apenas uma medicação e foi liberada para casa.

7)  Em relação às condições de trabalho da equipe médica do Instituto Cândida Vargas, a Prefeitura de João Pessoa, nos últimos cinco anos, investiu cerca de R$ 4 milhões somente em reformas e equipamentos na unidade.

8)  Mais uma vez, a Secretaria de Saúde lamenta que ocorrências envolvendo vidas humanas estejam ganhando um teor político com setores tentando destruir um trabalho contínuo de melhoria dos serviços de saúde do município
 

João Pessoa, 13 de maio de 2010

Secretaria de Saúde de João Pessoa

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.