Sandra Marrocos aciona Ministério do Trabalho contra Sadia

A vereadora Sandra Marrocos (PSB), revelou em dicurso na Tribuna da Câmara Municipal de João Pessoa (PMJP), durante sessão ordinária ocorrida na manhã de hoje que o requerimento enviado pela Casa de Napoleão Laureano à Empresa Sadia, por meio do mandato representado por ela, não recebeu resposta oficial por parte da companhia, pois a mesma, enviou nota por meio da Imprensa. 

A parlamentar detalhou que foi procurada por um trabalhador do município de João Pessoa que se encontrava lotado numa das unidades da empresa, localizada na cidade de Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso. Ele denunciou a falta de condições de trabalho e segurança, salientando ainda, a falta de assistência médica e odontológica, prometida pela corporação na época da seleção dos trabalhadores. 

A parlamentar socialista assegurou que vai enviar requerimento, por meio da Comissão de Direitos Humanos, ao Ministério Público do Trabalho, solicitando a apuração das denúncias de assédio moral, sofrida por parte de trabalhadores e trabalhadoras. 

Em nota à imprensa, a empresa esclarece que alguns funcionários alimentaram expectativas de benefícios e/ou condições que não foram prometidas pela companhia.

Sobre a nota da Sadia à imprensa, a parlamentar revelou. “A Sadia, ao invés de ter publicado uma nota à imprensa, deveria na verdade, ter respondido ao requerimento encaminhado por esta casa legislativa, solicitando esclarecimentos sobre denúncias feitas por funcionários recrutados no nosso estado”.

Outras irregularidades – Há queixas de trabalhadores de outros estados nordestinos, a exemplo de Pernambuco, sobre o não cumprimento do acordo firmado com a empresa. Estas pessoas alegam que não estão recebendo o pagamento correto das horas-extras, que a promessa de reajustar os salários após o período de experiência (90 dias) ainda não se concretizou e que a companhia está descontando o vale-transporte, quando o acordo era que esse item seria bancado pela empresa. 

Veja a nota na íntegra

A Sadia vem a público esclarecer as seguintes informações a respeito da captação de trabalhadores provenientes da Paraíba para sua fábrica em Lucas do Rio Verde (MT). 

1. Desde o início do projeto, a companhia tinha conhecimento da pouca disponibilidade de mão-de-obra na região de Lucas do Rio Verde, e dentro da estratégia da área, já previa contratações em outras localidades, a exemplo da região Nordeste. As condições ofertadas aos colaboradores da unidade de Lucas do Rio Verde são iguais para todos esses contratados e em nada diferem das existentes em todas as demais unidades da Sadia no país para atividades similares.


2. Durante o processo seletivo, um representante da Sadia, apresentou detalhadamente a todos os candidatos os valores de salário e benefícios que a companhia oferece, além de fornecer informações sobre a cidade de Lucas do Rio Verde.


3. A Sadia oferece a estes trabalhadores uma lista de benefícios que inclui assistência médica e odontológica; alimentação e participação nos resultados da companhia.


4. Como forma de minimizar o impacto da vinda dessas pessoas para a cidade e também para oferecer uma alternativa mais barata de moradia (e também mais próxima ao local de trabalho), a Sadia desenvolveu um projeto habitacional com 1.500 moradias. As casas são alugadas a preços bem menores que os de mercado. Todos os aluguéis são realizados através de contratos previamente estabelecidos, assinados e acordados com todas as partes.


5. Além disso, a Sadia assume o deslocamento de todos os funcionários para Lucas do Rio Verde e de todos os dependentes diretos dos funcionários casados. Não há no contrato de trabalho com os funcionários qualquer cláusula que obrigue a Sadia a pagar viagem de volta ao Nordeste para os que decidirem se desligar da companhia.


6. A Sadia viabilizou, junto ao Senai, cursos gratuitos para mais de 200 colaboradores nas áreas de manutenção mecânica, eletricista e produção de alimentos. Muitos destes colaboradores, inclusive, já foram promovidos e estão desempenhando novas funções na unidade.


7. A Sadia disponibiliza a todos os seus 60 mil funcionários o Disk Integridade, com o intuito de garantir o bom ambiente de trabalho em todas suas unidades de negócio. O número do telefone é amplamente divulgado internamente e os funcionários que sentirem a necessidade de fazer alguma queixa/crítica têm sua identidade preservada.

8. Entendemos que os funcionários vindos de outros estados encontraram na Sadia uma oportunidade de trabalho que não vinham encontrando em suas regiões de origem. Acreditamos que a realidade corresponde às expectativas da maior parte dos mais 3.800 colaboradores da Sadia em Lucas. Lamentamos, no entanto, que uma pequena parte desse grupo tenha alimentado expectativas de benefícios e/ou condições que não foram prometidas pela companhia.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.