Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Saiba o que fazer após a interdição pela Anvisa de medicamentos à base de losartana

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Alguns pacientes têm me procurado, para saber o que fazer após a interdição recente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de medicamentos contendo o princípio ativo losartana. Tal substância é um anti-hipertensivo e um dos remédios para insuficiência cardíaca mais utilizados no Brasil. 

A decisão  da Anvisa pela interdição e recolhimento dos medicamentos foi divulgada no dia 23 de junho passado devido à presença, em vários lotes, da impureza “azido” em concentração acima do limite de segurança aceitável.

Conforme a Anvisa, “a  impureza azido é uma substância que pode surgir durante o processo de fabricação do insumo farmacêutico ativo e que tem potencial mutagênico, ou seja, pode causar alterações capazes de causar danos às células humanas”. 

Por isso que há muita gente apreensiva sem saber se deve ou não tomar o medicamento que tem em casa. Importante: os pacientes que usam remédios contendo losartana não devem interromper o tratamento sem antes conversar com um médico de confiança. Essa, aliás, é a mesma orientação dada pela Anvisa. Deixar de tomar remédios pode trazer riscos à saúde, principalmente no caso de pessoas hipertensas ou com insuficiência cardíaca. 

Sobre esse caso, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) divulgou uma nota oficial há poucos dias. No comunicado, a SBC sugere que: 

  1. Pacientes que fazem uso da losartana devem continuar utilizando o seu medicamento; 
  2. Pacientes que estão fazendo uso de um dos lotes interditados devem seguir as recomendações da Anvisa para troca;
  3. Em caso de dúvida ou necessidade de orientação, procurar atendimento médico.

Muitas vezes, as pessoas veem o noticiário e ficam assustadas. Com base nas informações divulgadas até agora, e de acordo com as recomendações da Sociedade Brasileira de Cardiologia, também oriento aos pacientes que utilizam losartana que tenham cautela e evitem suspender o tratamento sem antes ouvir a avaliação clínica do cardiologista que o acompanha. 

Essa recomendação de continuidade do uso também se aplica a pacientes que estejam usando um dos lotes afetados. Qualquer alteração no tratamento só deve ser feita pelo médico de confiança do paciente, sempre levando em consideração a relação risco-benefício.

No caso de pessoas que utilizam algum remédio dos lotes interditados pela Anvisa, os medicamentos precisam ser substituídos. Para isso, a Anvisa recomenda que os usuários entrem em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do laboratório, para se informar sobre a troca do seu medicamento por um lote que não tenha sido afetado pelo recolhimento ou interdição. Os meios para contato com as empresas estão disponíveis na embalagem e na bula dos produtos.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Arthur Urso leva “esposas” para passear sem roupa íntima na orla de João Pessoa

Professores da UFPB desistem de candidatura e apoiam Terezinha e Mônica

Anteriores

joaobenedito (1)

TJ aprova criação de mais sete vagas de desembargador na PB

emersonpanta

TCE imputa débito de R$ 2 milhões a Emerson Panta por contratação de advogados

17113967826601d7aec1edd_1711396782_3x2_lg

Moraes diz que não há evidências de que Bolsonaro buscou asilo na Embaixada da Hungria

daniellabsb (2)

Daniella Ribeiro será relatora do PL que reformula o Perse para turismo e eventos

cejuuscararuna (1)

Núcleo de Solução de Conflitos do TJ inaugura Centro em Araruna nesta quinta-feira

amiditce (2)

Amidi e TCE discutem mecanismos de transparência na publicidade institucional

society (1)

João Pessoa sediará Torneio de Futebol Society dos Corretores de Imóveis

leobandeira

TCE-PB dá 30 dias para prefeito concluir creche em Lucena

jacksonemarcos (1)

Presidente do PT da PB explica presença na PH: “O evento era do PSB, não do PP”

UFPB-entrada-683x388

UFPB terá urnas em todos os centros de ensino nesta quinta; veja locais