Rômulo admite migração para o PSD e nega aproximação com Veneziano

O vice-governador da Paraíba, Rômulo Gouveia (PSDB) não deixou dúvidas hoje sobre sua inclinação para filiar-se ao PSD, atendendo a um convite do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Ele confirmou sua intenção hoje, durante uma entrevista ao Tambaú Debate, da Tambaú FM, e atribuiu a mudança às divergências com o senador Cícero Lucena, adversário do governador Ricardo Coutinho e do prefeito da capital paraibana, Luciano Agra, a quem Rômulo há prometeu apoio relativo às eleições de 2012:

– Eu comuniquei a Cássio que recebi um convite do prefeito de São Paulo Gilberto Kassab para liderar o PSD na Paraíba. Cássio fez um apelo para que eu não saisse porque acha que minha saída enfraqueceria seu posicionamento diante da nacional. Eu disse que minha maior dificuldade no PSDB hoje, apesar do meu carinho por ele, é o senador Cícero Lucena. É difícil para mim ter um senador que vai para a tribuna do Senado criticar o governo e se alia aos meus opositores em Campina Grande. Entendo que depois do resultado eleitoral, diante do resultado das urnas, houvesse uma distensão. No segundo turno, fui surpreendido por ele anunciando o apoio a José Maranhão.

Apesar de sua insatisfação com o posicionamento de Cícero Lucena, Rômulo disse que o senador tem o apoio de uma minoria no PSDB da Paraíba:

– Do ponto de vista número, hoje, nós temos maioria folgada. Os deputados estaduais estão conosco. Dos federais, um deles, Romero Rodrigues está conosco, assim como a maioria dos prefeitos. Eu não tenho mais idade para brigar. Eu falei sobre João Pessoa, ele citou Manoel Júnior. É muito contraditório. Daqui a pouco, vai estar o PSDB apoiando Veneziano em Campina Grande. Como existe uma alternativa de legenda que já nasce forte e estou sendo convidado, minha inclinação é ir. Vou conversar este final de semana com Cássio Cunha Lima, que agora é senador e havia uma interpretação de que quem não tinha mandato não poderia dirigir o partido. Também vou conversar com Ricardo Coutinho porque, apesar de quererem nos dividir, estabelecemos uma aliança pelo bem da Paraíba que deve se reproduzir em 2012 e 2014".

Outro assunto abordado por Rômulo Gouveia foi a recente reunião mantida por Cássio Cunha Lima com o prefeito de Campina Grande, Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), para tratar da implantação de uma sede da AACD na cidade. O tucano não compareceu ao compromisso e alegou um compromisso previamente assumido. Mesmo assim, ele reconheceu que se a agenda estivesse livre, ele não teria ido ao encontro do gestor, contra quem disputou duas eleições municipais.

– Vejo profundas dificuldades de qualquer aliança minha com o grupo político de Veneziano. Não é nada pessoal. Tenho uma relação respeitosa com Vital Filho, Veneziano e Nilda Gondim. Mas, no campo político, não me sinto confortável. Cheguei em um momento da minha vida, que tenho o direito de dizer o que sinto. Eu tenho luz e vida própria. Eu sou leal. Se for para ir para a briga, eu vou em qualquer circunstância. Eu aceitei ser vice de Ricardo Coutinho porque queria quebrar um ciclo político. Não tenho condições de fazer qualquer aliança ou acordo hoje ou a longo prazo com o grupo de Veneziano. Eu não fui [à reunião] porque tinha um check up agendado. Eu tinha um compromisso. Mas, se não tivesse, eu também não iria. Eu não vou tirar fotos com quem não me agrada, com quem eu tenho divergências de ordem política e ideológicas.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.