Rodrigo deve assumir diretoria da Sudene e Maranhão vice das Loterias Caixa

 Matéria publicada na edição desta semana da Revista Isto é, traz lista de nomes e cargos daqueles que passarão a compor o segundo escalão do governo da presidente, Dilma Rousseff. Entre os citados, está o ex-governador da Paraíba, derrotado nas últimas eleições, José Maranhão (PMDB) e o seu vice, Rodrigo Soares (PT).

 
Ainda de acordo com a matéria José Maranhão deve assumir a vice-presidência das Loterias da Caixa, enquanto Rorigo Soares assumiria uma diretoria da Sudema. As nomeações fazem parte de um acordo realizado entre PT e PMDB, para acomodar os “derrotados” no último pleito.
 
Confia a matéria na Integra
 
Para agradar aos políticos derrotados nas eleições que agora estão sem emprego, PT e PMDB tentam criar um trem da alegria no segundo escalão do governo federal 
 
Até o próximo dia 25, o governo Dilma Rousseff pretende preencher todos os cargos de segundo escalão, acomodando os interesses dos partidos que compõem a base aliada. Não tem sido tarefa fácil. Não bastasse a acalorada disputa entre PT e PMDB por postos estratégicos em estatais, o Palácio do Planalto vem enfrentando outro grande problema na hora de definir os nomes com base nas listas apresentadas pelos dirigentes partidários.
 
Contrariando orientação da própria presidente da República, as legendas têm indicado políticos que, desprovidos dos votos que também são desprovidos da bagagem técnica necessária para a função. Na maioria dos casos, o critério adotado pelos partidos observa o compadrio em detrimento da qualificação, transformando as vagas disponíveis, muitas vezes postos considerados chave para o desenvolvimento do País, num mero consolo para desempregados. É a famosa boquinha para quem, sem qualquer especialização, sobrevive à custa de nomeações para cargos públicos. “São pessoas que não têm qualificação para entrar no setor privado com o nível salarial que usufruem no setor público. Qualquer empresa que considere a relação custo/benefício não os contrataria”, constata o economista Raul Velloso, especializado em finanças públicas.
 
O PT, por exemplo, entregou ao ministro da Casa Civil, Antônio Palocci, uma extensa lista de políticos reprovados nas últimas eleições para serem acomodados no segundo escalão. Entre eles, Zeca do PT, candidato derrotado ao governo de Mato Grosso do Sul, para a diretoria de Administração de Itaipu; Rodrigo Soares, candidato a vice-governador derrotado na Paraíba, para uma diretoria da Sudene; e o ex-deputado Paulo Rocha (PT-PA), que teve sua candidatura ao Senado impugnada pela Lei da Ficha Limpa, para uma diretoria da Eletronorte. Para piorar, nenhum dos citados possui familiaridade com a área em que deseja atuar. “Nossos políticos são generalistas. Ou conseguem o cargo público ou vão tentar algum trabalho de consultoria, mas nem todos têm essa facilidade”, atesta Velloso.
 
O PMDB não ficou atrás. Insiste em acomodar os derrotados nas eleições para governador Geddel Vieira Lima (BA) na Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), José Maranhão (PB) na vice-presidência de Loterias da Caixa, Íris Rezende (GO) na vice-presidência de Agronegócio do Banco do Brasil, e Orlando Pessutti (PR), que desistiu da candidatura à reeleição no Paraná para apoiar Osmar Dias (PDT), na vice-presidência de Governo do Banco do Brasil. “Temos o direito de indicar nomes. O Ministério da Saúde tem 1.262 cargos. Sabem quantos são ocupados pelo PMDB? Apenas dois”, esbravejou, durante a semana, o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), que aposta na prática distorcida e viciada do Congresso.
 
A cultura das benesses custa caro aos cofres públicos. Por baixo, apenas os cargos citados consumiriam cerca de R$ 2 milhões por ano do Orçamento da União. “Essa prática remonta às origens do Estado brasileiro. O grande problema é que, na partilha do poder, os partidos não têm o mínimo critério para o preenchimento de cargos, não indicam quadros técnicos”, lamenta o advogado João Geraldo Piquet Carneiro, um dos criadores da Comissão de Ética Pública destinada a fiscalizar a conduta dos servidores federais. Se os partidos políticos pensassem no interesse público e, não, na boa vida de seus afilhados, a Esplanada dos Ministérios deixaria de ser um cabide de empregos.
 
 
Isto É

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.