Ricardo pode fazer reforma radical na estrutura do Governo

 O governador Ricardo Coutinho (PSB) deve promover uma ampla reforma administrativa em sua estrutura organizacional. O estudo para as mudanças será elaborada pela equipe responsável pelo projeto que resultou na reestruturação administrativa no Governo de Minas Gerais, na gestão do ex-governador Aécio Neves (PSDB). A reforma em Minas foi baseada no “choque de gestão” para por fim a crise fiscal e administrativa herdada pela gestão anterior, com o objetivo de reformar o Estado e obter saldo positivo entre arrecadação e despesas. Foi o que afirmou o secretário de Governo, Walter Aguiar.

 
Ele revelou que o governador Ricardo Coutinho (PSB) deverá fazer, a curto e a médio prazos, uma reforma estrutural para adequar o Estado a nova realidade da atual gestão, para implementação de políticas públicas para a sociedade.Segundo Walter Aguiar, a equipe já esteve na Paraíba e iniciou a análise da estrutura existente no Estado para adequá-la ao atual governo e aos programas que Ricardo Coutinho vai implementar, dentre eles o Empreender-PB e o Orçamento Democrático. Os programas já foram instituídos, mas precisam de estrutura adequada para produzir os efeitos que se pretendem junto à sociedade.
 
“Estes e outros programas foram criados, mas precisamos de estruturas adequadas para comportá-los. Como também, para outras secretarias criadas ou já existentes que tiveram funções ampliadas e modificadas que, sem dúvida, vão precisar de uma nova estrutura voltada para atender as demandas sociais e buscar o equilíbrio financeiro do Estado”, declarou.
 
Para Aguiar, resistência é natural
 
Walter Aguiar avaliou a primeira semana da administração do governador Ricardo Coutinho de forma muito positiva. Segundo ele, nesta primeira semana o chefe do Executivo Estadual sinalizou para sociedade qual é o caminho que quer seguir, que tem uma coisa acontecendo no âmbito da administração estadual, que está sendo entendida pelos paraibanos.
 
“Há alguma resistência, como é natural, vem ocorrendo por conta das mudanças. Mas a base aliada entendeu que o Governo é um só e ele é dirigido por Ricardo Coutinho. Além disso, o governador deixou claro que será o Governo que vai transformar o Estado, redimensioná-lo para servir melhor e cada vez mais à população, custe o que custar”, comentou o secretário.
 
Para Walter Aguar, mesmo que alguns interesses estejam sendo contrariados com as medidas que tomadas no âmbito da administração estadual, o governador Ricardo Coutinho tem como objetivo maior buscar o equilíbrio fiscal e financeiro do Estado, não só em função não só do grande déficit financeiro que recebeu as finanças do Executivo estadual, mas em virtude da grande dívida existente com a população de políticas de inclusão social, que ele afirmou que tem a certeza que será sanada.
 
“O governador Ricardo tem propostas, estar olhando para frente e quer construir um futuro para Paraíba. O Governo está com muita energia, com vontade de modificar a situação do Estado. Ricardo deixou claro que não vai titubear em tomar as medidas necessárias para beneficiar a população em qualquer parte da Paraíba, levando conta principalmente, o bem estar da maioria e não dar privilégios a poucos”, declarou o secretário de Governo.
 
Informações da comissão de transição
 
De acordo com Walter Aguiar, as medidas tomadas até agora por Ricardo Coutinho, foram com base em informações obtidas pelo trabalho realizado pela equipe de transição e, após assumir o Governo, quando passou a obter um diagnóstico mais preciso de toda a situação, no contato mais direto com os problemas, que serão solucionados caso a caso junto com os titulares das pastas e com o apoio da população.
 
Disse ainda, que além de buscar o equilíbrio fiscal e financeiro do Estado, com a adoção de medidas imediatas para a redução do custeio e tornar o Estado mais eficiente, Ricardo Coutinho deixou claro que vai cumprir metas e que dentro dessas metas está o compromisso com funcionalismo público estadual.
 
“Ricardo vai criar um programa especifico para beneficiar os servidores, fazendo com que eles cumpram metas e sejam compensados por isso, com uma política voltada para reposição das perdas salariais e uma bonificação para as metas que cumprirem e superarem”, revelou.
 
Ainda na primeira semana de governo, Ricardo Coutinho assinou um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público da Paraíba (MPPB), no qual se comprometeu a exonerar 50% dos servidores contratados sem concurso público. De acordo com dados do Sistema Sagres do Tribunal de Contas da Paraíba, o Estado tem 35 mil prestadores de serviço e cerca de 17,5 mil deverão ser demitidos. O prazo dado pelo MPPB acaba na próxima terça-feira.
 
 
 
Correio da Paraíba

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.