Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

‘Retratos Fantasmas’, de Kleber Mendonça, abre o 51º Festival de Cinema de Gramado

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O novo filme do pernambucano Kleber Mendonça Filho é a grande expectativa da programação da 51ª edição do Festival de Cinema de Gramado que teve início nessa sexta, 11, com uma vasta programação que privilegiou o público infantil com a exibição do longa ‘Chef Jack – O cozinheiro aventureiro’, de Guilherme Fiuza Zenha, em sessões matutina e vespertina no Palácio dos Festivais. Um sinal positivo para a formação do público infanto-juvenil para o nosso cinema.

Na realidade, o Festival de Cinema Gramado deu início a essa jornada há décadas combinando filmes com um certo apelo de grande público com obras, digamos, para iniciados. Este ano, ‘Retratos Fantasmas’, de Kleber Mendonça Filho é o filme de abertura de sua 51ª edição, que inclui também um filme do cearense Petrus Cariry, um diretor que constrói suas narrativas com ritmo mais lento, poucos personagens, ações rarefeitas e economia nos diálogos. 

HAMLET – Direção: Zeca Brito 

A concorrida cerimônia de abertura ontem de manhã contou com a presença da ministra da Cultura, a cantora Margareth Menezes na Sociedade Recreio Gramadense com a presença de autoridades e diversos cineastas. A ministra enfatizou o papel dos festivais na abertura de espaços para a diversidade da produção cinematográfica brasileira. Na tarde deste sábado, foram exibidos doze filmes dentro da Mostra Curtas Curtas-metragens Gaúchos contemplando a produção do Rio Grande do Sul neste formato. Dentro de sua proposta de capacitação, o festival proporcionou a palestra de Vera Zaverucha ‘Desvendando a regulação do audiovisual no Brasil’.

‘Retratos Fantasmas’, de Kleber Mendonça (fora de competição) abriu a programação e foi seguido da exibição de dois filmes da Mostra Competitiva de Curtas-metragens (com duas obras do Rio de Janeiro: ‘Yãmî Yah-Pá’, de Vladimir Seixas, e ‘Deixa’, de Mariana Jaspe. Inaugurando a Mostra Competitiva de Longas Nacionais, a aguardada ficção calcada em fatos reais ‘Angela’, de Hugo Prata (110min, SP), que aborda a vida e morte da socialite Angel Diniz, assassinada pelo companheiro Doca Street, um crime que frequentou por anos as manchetes de jornais no Brasil. No papel de Angela, a atriz Isis Valverde.

Roberto Farias Memorias de um Cineasta – Direção: Marise Farias

Além de ‘Angela’, estão mais cinco longas que dão um panorama da diversidade da produção cinematográfica brasileira: há representantes do Rio de Janeiro (‘Mussum’, o Filmis’, de Silvio Guindane; de São Paulo; ‘Tia Virgínia’, de Fábio Meira, além do citado Angela; do Ceará, ‘Mais pesado é o céu’, de Petrus Cariry; do Paraná, ‘Uma família feliz’, de José Eduardo Belmonte; e do Tocantins, ‘O barulho da noite’, de Eva Pereira. Na Mostra de Curtas-metragens nacionais essa abrangência é maior pela quantidade de filmes, representados pelos estados de Minas Gerais, Rondônia, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Roraima, São Paulo, Rio Grande do Sul e Maranhão.

 A Mostra Longas Gaúchos traz cinco representantes do estado que abriga o festival há 51 anos: ‘Um certo cinema gaúcho de Porto Alegre’, de Boca Migotto, explora a trajetória de três gerações de cineastas da capital gaúcha; ‘Céu aberto’, de Elisa Pessoa, que acompanha a vida de Adrielle da infância aos 17 anos na cidade de Dom Pedrito; ‘O acidente’, de Bruno Carboni, um ficção que trata do envolvimento de uma ciclista com seu atropelador; ‘Hamlet’, de Zeca Brito, sobre o jovem que dá título ao filme e seus conflitos em meio às convulsões políticas do Brasil de 2016; e ‘ Sobrevivente do Pampa’, documentário de Rogério Rodrigues que dá vozes às populações originárias silenciadas há séculos num manifesto em defesa da preservação de um bioma devastado.

MUSSUM, O FILMIS – Direção: Silvio Guindane

São filmes de todo o país que dão conta da diversidade temática e estética do cinema brsileiro, abrindo uma importante e necessária janela para a produção cinematográfica desses diferentes Brasis. É plausível, claro, a existência de mostras dedicadas ao cinema gaúcho, um estado que tem uma tradição de um cinema vigoroso. Os festivais de cinema, como o de Gramado, criam uma possibilidade do nosso cinema chegar às telas num contexto de estreitamento histórico do gargalo da distribuição e exibição, principalmente com a presença dos blockbusters apagando as telas para o cinema brasileiro. O Festival de Cinema de Gramado se torna um banquete de cinema irresistível.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

UEPB: uma crise democrática

Confusão continua: TRE nega ter chancelado posse de Raissa Lacerda na Câmara

Anteriores

Paulo Braz de Moura, prefeito Poço José de Moura

Pleno do TJPB recebe denúncia contra prefeito de Poço José de Moura

Harrison Targino, presidente da OAB-PB

OAB-PB aprova resolução que atualiza tabela de honorários da advocacia previdenciária

Cícero Lucena assina ordem de serviço na Penha

Cícero autoriza obras na Penha, que vai chegar a 100% das ruas pavimentadas

Chuvas e rede elétrica

Meteorologia prevê fim de semana com chuvas em João Pessoa, Campina e outras cidades

Forró Preto no Branco

Funjope leva autêntico forró nordestino para mercados públicos nesta sexta

Santanna no são joãode cg

Santanna e Zé Vaqueiro abrem nesta sexta-feira o São João de Bananeiras

Cícero e o Crea-pb

Crea-PB e Prefeitura de João Pessoa Firmam acordo de cooperação técnica

João Azevêdo 26

João autoriza aumento no número de convocados do concurso da PM e Bombeiros

Lily Sanfoneira

Projeto Café no Forró continua neste fim de semana na Usina Cultural Energisa

Celia Regina e Ivonildes Fonseca, reitoria da UEPB

Professoras Celia Regina e Ivonildes Fonseca são reeleitas para Reitoria da UEPB