Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Quarta Câmara manda Uber reativar motorista paraibano bloqueado sem motivo

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

A Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba determinou que a plataforma de transporte por aplicativo Uber 99 restabeleça o cadastro de um motorista no prazo de 48 horas, sob pena de multa diária de R$ 300,00, limitada a R$ 10.000,00. Decidiu ainda condenar a empresa ao pagamento de lucros cessantes, decorrentes dos dias em que o motorista teve o acesso ao aplicativo bloqueado, a serem apurados em liquidação. O caso foi julgado na Apelação Cível nº 0801499-57.2021.8.15.0001, oriunda da 6ª Vara Cível da Comarca de Campina Grande. A relatoria do processo foi do Desembargador Oswaldo Trigueiro do Valle Filho.

“A controvérsia a ser apreciada por esta Corte de Justiça consiste em perquirir sobre a licitude do ato praticado pela empresa 99 Tecnologia LTDA consistente no bloqueio do cadastro do apelante como motorista parceiro no aplicativo da 99”, afirmou o relator em seu voto, acrescentando que a desativação imotivada do motorista, não precedida de prévia notificação, caracteriza um ato ilícito.

“Em que pese aplicarem-se às relações privadas os princípios da liberdade contratual e da intervenção mínima, a autonomia da vontade não é ilimitada, estando sujeita ao cumprimento de outros deveres de conduta, que decorrem de princípios como a boa-fé objetiva e a razoabilidade, de forma que o descredenciamento imotivado do motorista do aplicativo de transporte demanda notificação prévia”, pontuou o relator, para quem restou demonstrada a irregularidade na exclusão do autor do aplicativo.

No tocante aos lucros cessantes, o relator ressaltou que o motorista deixou de auferir renda para seu sustento em virtude de seu bloqueio e descadastramento no aplicativo 99. “Os lucros cessantes decorrem da impossibilidade de exercício do trabalho de motorista do aplicativo, em razão do descredenciamento abrupto e imotivado, devendo o montante ser apurado em liquidação”, afirmou o desembargador, que considerou indevida, porém, a indenização por danos morais, “ante a configuração de mero aborrecimento decorrente de descumprimento contratual”.

Da decisão cabe recurso.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Banco do Nordeste nomeia novo superintendente na Paraíba

Prefeito paraibano fala de “infelicidade” de ter filhos autistas e servidora acrescenta: “São doidos”

Anteriores

WhatsApp-Image-2022-06-02-at-16.54.09-768x450

Comissão pune presidente do Conselho de Medicina na Paraíba e suspende campanha por 18 dias

bmb2024

Brasil Mostra Brasil termina neste domingo com promoções nos estandes

1720910506669302aa581b2_1720910506_3x2_lg

Atirador e participante de comício morrem durante atentado a Donald Trump nos EUA

trumptiro

Trump é retirado às pressas de comício depois de ser atingido na orelha; veja

Eliane

São João de Galante tem shows de Eliane e Banda Encantus neste sábado

Dupla é presa suspeita de assaltar bombeiro de Pernambuco na orla de João Pessoa

Dupla é presa suspeita de assaltar bombeiro de Pernambuco na orla de João Pessoa

joao azevedo, unidades habitacionais, joao pessoa

João Azevêdo entrega moradias com amplas áreas de lazer e infraestrutura a 320 famílias de João Pessoa

mulher hospital FOTO Pixabay

Menina tem aborto legal negado pela Justiça em Goiás e magistradas são acionadas no CNJ

mega sena FOTO agencia brasil

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 15 milhões

onibus FOTO Pixabay

Menino morre atropelado por ônibus escolar em Itabaiana