Presos do Roger perdem benefícios após chacina

Os presos do Presídio do Roger ficarão sem visita dos familiares, banho de sol e qualquer outra regalia ou benefício que vinha sendo concedidos pela direção. A medida extrema foi tomada na tarde desta sexta-feira (20) como represália ao silêncio dos detentos, que se negaram a entregar os nomes dos autores da chacina que ocorreu no último domingo (19) no interior do presídio.

A decisão de punir a falta de colaboração foi tomada conjuntamente pelo secretário de Cidadania e Administração Penitenciária, Carlos Mangueira; acompanhado do diretor do Presídio do Roger, Irênio Pimentel; e do gerente do Sistema Penitenciário, Ivonilton Coriolano, após inúmeras tentativas de negociação para que os presos confessassem o crime ou denunciassem os autores.

“Tentamos colher os nomes, inclusive explicando que os autores seriam transferidos para outro presídio, mas o silêncio no Roger foi mantido, ninguém quis colaborar com a investigação. Diante disso, só nos restou tomar essa medida”, disse o Secretário.

Os benefícios aos presos do Roger, inclusive a liberação de presentes de Natal, trazidos por seus familiares, ficarão suspensos por tempo indeterminado, ou até que os culpados apareçam.

Mangueira disse ainda que agentes penitenciários de outros presídios irão reforçar o efetivo para garantir a ordem e tranquilidade dentro do Presídio do Roger, já que com a retirada desses benefícios em pleno período natalino requer mais atenção e cuidado redobrado com a segurança.

O diretor Irênio Pimentel disse que, além dos agentes penitenciários, que são treinados e capacitados para conter qualquer incidente que venha a comprometer a ordem dentro do presídio, o Grupo especializado da PM (Choque) está de sobreaviso para adentrar a unidade prisional, se necessário.

Na manhã desta terça-feira (21), o Conselho de Coordenação Penitenciária do Estado da Paraíba (CCEPB) irá se reunir na Secretaria de Cidadania e Adminsitração Penitenciária (SECAP) para novas deliberações. Compõe o Conselho, o Secretário de estado, Carlos Mangueira; o Juiz da Vara das Execuções da Capital, Dr. Carlos Beltrão, o promotor da Vara das Execuções, Dr. Nilo Siqueira, o Gerente da Gesipe, Delegado Ivanilton Wanderley, o Dr. Thiago de Castro Formiga e o secretário do CCPEP Antônio Almeida.
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.