Presidente do TJ pretende construir um novo Fórum em CG

O Fórum “Afonso Campos”, em Campina Grande, foi a primeira unidade judicial a ser inspecionada pelo presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, desembargador Abraham Lincoln da Cunha Ramos, na sua primeira viagem oficial como dirigente do Judiciário Estadual. Na oportunidade ele anunciou que pretende iniciar a construção de um novo Fórum para a Comarca, que é hoje a segunda maior do Estado e não mais comporta as instalações da atual sede. O desembargador foi recepcionado pelo diretor do Fórum, magistrados e servidores.

“Há muito tempo, o povo campinense cobra a edificação de um novo prédio, já que este não comporta mais o funcionamento de todas as varas judiciais”, afirmo o presidente.
   
Na ocasião, o presidente Abraham Lincoln conheceu os principais problemas do Fórum, em especial a deficiência na climatização das instalações. Conversaram sobre a nova estrutura, que demandará a instalação de novas varas. “Vamos encontrar solução para instalar as novas varas judiciais criadas pela Lei de Organização e Divisão Judiciárias do Estado”, disse o desembargador.

A comarca de Campina Grande possui um total 29 varas, sendo oito cíveis, sete criminais, cinco de família, três fazendárias e duas do Tribunal do Júri. A unidade judiciária conta, também, com dois Juizados Especiais Cíveis, um Juizado Especial Criminal e uma Vara da Infância e da Juventude.

De acordo com os dados do Sistema Integrado de Comarcas Informatizadas do Tribunal de Justiça (Siscom), durante o ano de 2010, as 29 unidades judiciárias tinham arquivado 20.062 processos. No mesmo período, foram sentenciados 14.197 feitos; despachados 101.205 e realizadas 7.984 audiências. Ainda nos doze meses, foram distribuídos 21.551 processos.

Participaram também da visita, os juízes-auxiliares da Presidência, Leandro dos Santos e José Ferreira Ramos Júnior; a gerente de Apoio Operacional, Valquíria Uchôa; a gerente de Engenharia, Vânia Paiva Martins; e o presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), juiz Antônio Silveira Neto.
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.