Prefeitos paraibanos confiam em cenário positivo para 2014

O ano de 2013, para muitos prefeitos paraibanos, foi destinado à “arrumação e decoração da casa”. Dos 223 prefeitos, pelo menos 24 estão exercendo o primeiro mandato. Alguns herdaram a gestão de grupos opositores e predominantes. A situação encontrada por vários prefeitos foi de dívidas, principalmente na folha de pagamento dos servidores, e obras paralisadas. Porém, todos os prefeitos ouvidos pela reportagem estão confiantes que, em 2014, o cenário será mais positivo.

Eles elencaram várias ações em andamento. Prefeitos como Luciano Cartaxo (João Pessoa), Francisca Motta (Patos), Zenóbio Toscano (Guarabira), Audiberg Alves (Itaporanga), Aron Renê (Itatuba), Romero Rodrigues (Campina Grande), Mylton Marques (Aroeiras), entre outros, integram a relação dos que confiam no cenário positivo em 2014.

Ao contrário do que muitos alegam, a prefeita de Patos, Francisca Motta (PMDB), garante que assumiu uma administração estruturada. Prefeita de primeiro mandato, Francisca Motta disse que deu continuidade em 2013 e já entregou à população às obras iniciadas pelo ex-prefeito Nabor Wanderley (PMDB). Em sua avaliação, 2013 foi muito positivo e 2014 será melhor, com diversas obras estruturantes prontas para serem iniciadas. “Vamos transformar Patos num imenso canteiro de obras”, garantiu Francisca Motta.

Francisca Motta elenca ações

No ano passado, a gestão inaugurou 15 obras, como praças públicas, academias de saúde e Unidades Básicas de Saúde (UBS). Comprou mais oito ambulâncias para reserva técnica do Samu; entregou 227 casas em convênio com a Funasa e 136 casas, em parceria com o Governo Federal e o Governo do Estado, no Residencial Vista da Serra I; perfurou e reativou 34 poços; iniciou as obras de construção das estradas vicinais em parceria com o Ministério de Integração Nacional; e comprou máquinas para a patrulha mecanizada da Prefeitura.

Apesar de pegar uma prefeitura estruturada, Francisca Motta teve algumas dificuldades em relação ao repasse do Fundo de Participação do Município (FPM) e à seca, pois 2013 foi um ano atípico por causa da estiagem e prejudicou dezenas de municípios do Interior. “Nós tivemos um grande apoio de deputados federais, como Hugo Motta, e do senador Vital do Rêgo, que são muito atuantes. Eles são verdadeiros parceiros de Patos”, afirmou.

As expectativas são boas para 2014, com várias obras para serem entregues. No ano passado, a gestão iniciou e deu continuidade à construção de sete UBS, do Centro de Referência da Mulher e da Alça Sudeste; retomou a construção da UPA do Campo da Liga; e iniciou a pavimentação de várias ruas.

Na área de esporte, a prefeitura planeja dar início a construção da Vila Olímpica, dois campos de futebol (um no Caveirão na Vila Cavalcante e outro no Pólo Coureiro), um Centro de Iniciação ao Esporte, no Campo de Totô, no bairro Monte Castelo, uma parceria com o Ministério do Esporte por meio do PAC 2; e uma Academia de Saúde para a Praça Apolônio Gonçalves no bairro Jatobá;

Também para este ano estão previstas a pavimentação de várias ruas; obras nos canais de macrodrenagem dos bairros Noé Trajano e Novo Horizonte completando o complexo de canais da Bacia do Frango; construção de seis UBS e reforma de mais duas; e a construção do Teatro Municipal Ernani Satyro e quatro creches Proinfância.

Na saúde, a gestão planeja ampliar a rede de saúde mental, com um Centro de Atenção Psicossocial (Caps) III Regional, que funcionará 24h; dois Caps AD (Álcool e Drogas) e um municipal; uma Unidade de Acolhimento Adulto-Regional; uma unidade de acolhimento infanto-juvenil regional; um centro de convivência; e um consultório de rua.

Guarabira recupera alunos

Estrutura desorganizada, muitos prestadores de serviço, servidores desmotivados e problemas com licitações. Foi assim que o prefeito de Guarabira, Zenóbio Toscano (PSDB) descreveu a situação da prefeitura quando assumiu o cargo, no começo deste ano. De acordo com Zenóbio, essa situação já era esperada. “Nos últimos quatro anos a cidade perdeu 4 mil alunos da rede municipal de ensino, mas conseguimos recuperar mais de mil. Encontramos parados o Centro de Documentação, o teatro da cidade, o museu e a galeria de arte. Reabrimos tudo. Também vimos que 99% dos diretores das escolas eram prestadores de serviço. O que fizemos foi colocar na direção das escolas os professores efetivos da prefeitura”, disse.

Apesar dos problemas, Zenóbio avalia que 2013 foi positivo, pois conseguiu firmar convênios com o governo federal para diversas obras na cidade, assim como dar andamento as obras com recursos próprios. Conforme apontou, a prefeitura autorizou a recuperação de várias escolas, quatro ginásios esportivos (dois deles já estão em andamento), um contrato para pavimentar 20 ruas (metade já está executada). “Já temos os projetos e recursos federais garantidos. Conseguimos também fazer um caixa para investimentos em 2014”, afirmou.

A expectativa para  2014, segundo Zenóbio, é partir para novas ações. “Esse ano tivemos muito proveito, conseguimos promover um festival de teatro, verba para a ampliação de nove postos de saúde, dos quais já recuperamos quatro. Compramos dois compactadores de lixo para a limpeza pública e assinamos um contrato com a Caixa Econômica Federal para construção da Praça da Juventude, com valor de R$ 2 milhões. Também vamos construir duas grandes creches para a cidade. Mas a maior conquista foi a realização do concurso público, no qual participaram 15 mil candidatos. Já convocamos os 11 médicos aprovados, que vão começar a atender em janeiro. Estamos muito otimistas para 2014”, asseverou.

Audiberg Alves: jogo de cintura

O primeiro mandato do prefeito Audiberg Alves (PTB), em sua avaliação, foi muito difícil, pois ele não sabia como encontraria a prefeitura. Esta é a sua primeira gestão como prefeito, quebrando 36 anos de governo de um mesmo grupo político. Os maiores desafios, conforme apontou, foram arcar com as contas atrasadas da gestão passada, como com a folha de pessoal; organizar as férias dos funcionários, secretarias sem estrutura, frota sucateada, obras paralisadas, entre outros.

“Viajei muito a João Pessoa e Brasília para buscar recursos. Com jogo de cintura, conseguimos chegar onde queríamos. Para mim, este ano foi de muito aprendizado que vai servir para o próximo ano”, avaliou.

Segundo Audiberg, o apoio do governo do Estado ajudou a “arrumar a casa” e, por meio de convênios federal e estadual, conseguiu trazer obras e investimentos para a cidade. Uma delas é o Campus do IFPB. Ele também informou que adquiriu uma nova frota para a prefeita, equipou secretarias, deu continuidade ao projeto do matadouro público, cuja obra será feita com recursos próprios; a reforma da Escola Modelo; de creches, praças públicas e logradouros.

Na Saúde, firmou convênios para levar 13 médicos de especialidades diferentes para atender a população e, na Educação, promoveu capacitação dos professores. A gestão também planeja a construção de um conjunto habitacional.

A expectativa para este o ano é iniciar obras próprias e fazer ações próprias da nova gestão. Uma delas é a inauguração da Superintendência de Trânsito Municipal, que irá municipalizar o trânsito da cidade, marcada para o dia 9 de janeiro, aniversário da cidade. “A gestão se segurou em pessoas interessadas em melhorar a cidade e as coisas aconteceram. Conseguimos muitas obras novas e vamos dar continuidade naquelas que foram deixadas na gestão passada. Estamos alavancando Itaporanga. No começo foi muito difícil, tive que me virar nos 30. Para o próximo ano as expectativas são muito boas”, disse.

Planejamento e diálogo em João Pessoa

Prefeito de primeiro mandato, Luciano Cartaxo (PT),  de João Pessoa, informou que, no primeiro ano, conseguiu colocar em prática uma administração dinâmica e identificada com as necessidades da população, trazendo uma “cultura de planejamento e diálogo”. “Este ano, pudemos colocar em prática uma política que vai além das obras de concreto, preferindo ações que possuíam como foco principal o cuidado com as pessoas e com as famílias”.

Destacou ações na área de educação e disse que  a gestão elegeu 2013 como o ano da educação infantil. Durante o ano passado, foram iniciadas as obras de 11 Centros de Referência em Educação Infantil (Creis) e abriu 200 vagas em turmas de berçário. “Com apenas cem dias de Governo, concedemos o Passe Livre para que estudantes da Rede Municipal de Ensino pudessem ir à escola sem custos. Além disso, entregamos 12 ônibus adaptados para o transporte de alunos com deficiência”.

Cartaxo também apontou a reestruturação da saúde como uma das marcas da sua gestão. Foram reformadas nove Unidades de Saúde da Família (USFs) e dadas a ordem de serviço de mais 14, além da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Valentina, que deve ser inaugurada em março e a licitação de uma UPA em Cruz das Armas, também para este ano. “Entregamos também novas instalações do CAPS Gutemberg Botelho, o Centro de Tratamento da Dor, no Ortotrauma de Mangabeira, e o Serviço de Cardiologia do Hospital Santa Izabel”.

Ainda na saúde, o prefeito apresentou como algumas das conquistas da gestão a realização de mutirões de cirurgias ortopédicas e oftalmológicas e a redução da jornada de trabalho de enfermeiros e psicólogos que trabalham nos hospitais municipais de 40 para 30 horas semanais, sem redução de salário.

Na habitação, foram 1.762 casas entregues durante o primeiro ano de gestão e a expectativa é entregar mais 5 mil novas unidades habitacionais que já estão em processo de construção. Para este ano, o prefeito anunciou obras estruturantes, como o projeto de revitalização da Lagoa do Parque Solon de Lucena e do Centro Histórico.


Correio da Paraíba

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.