Prefeito abre ano letivo nas 95 escolas da rede municipal

O prefeito Luciano Cartaxo abriu oficialmente, na manhã desta terça-feira (4), o ano letivo da Rede Municipal de Ensino. No total, 52 mil alunos voltarão às aulas a partir desta quarta-feira (5), nas 95 escolas geridas pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Secretaria de Educação. O evento de abertura reuniu cerca de 3.500 profissionais da educação no Espaço Gospel, na Avenida Rui Carneiro, onde puderam acompanhar uma palestra da professora Maria do Rosário Peixoto, da Pontífice Universidade Católica de São Paulo (PUC – SP).
 
“Em pouco mais de um ano conquistamos grandes avanços na educação, como a concessão de passe livre e o andamento da construção de 11 novos Centros de Referência em Educação Infantil (Creis) em nossa Capital, que chegarão a 44 em quatro anos”, listou o prefeito Luciano Cartaxo. “Mas temos a compreensão de que, sem a valorização do professor, nada disso possui valor. Que, a partir de amanhã, vocês entrem em sala de aula com o coração aberto e pronto para receber as crianças e cumprir essa missão que lhes foi dada. A educação se faz com investimentos, mas principalmente com muito amor”, complementou.
 
Para o secretário municipal da Educação, Luiz Souza Júnior, o início de um novo ano letivo representa um grande desafio, tanto para os profissionais quanto para as crianças. “Notamos as suas dificuldades, suas limitações e os problemas que precisam enfrentar. Mas ao final do ano também podemos notar o quanto elas se desenvolveram e percebemos que também somos responsáveis por moldar estas crianças. Hoje queremos fazer um chamado para compreendermos estes desafios, mas temos a confiança de que não há neste estado uma rede de professores mais capaz do que a nossa”, declarou.  
 
De acordo com a secretária adjunta da Educação, Edilma Ferreira, o encontro é uma oportunidade para refletir sobre práticas e reassumir o compromisso com a educação. “Este é um momento de acolhida e de carinho com os profissionais para que possamos fazer o diferencial na educação. Queremos abrir as portas das nossas escolas com este mesmo clima de harmonia e bem-estar”, afirmou.
 
Diálogo – O presidente do Sindicato dos Profissionais da Educação de João Pessoa, Daniel de Assis, destacou a importância de se manter um diálogo permanente com os profissionais. “Preciso ouvi-los, pois são pessoas que estão no chão da sala de aula e que sabem o que realmente é preciso para que possamos avançar. A Educação de João Pessoa é feita por profissionais sérios e competentes, que têm a visão crítica da sua área de atuação”, declarou.
 
Os profissionais afirmam estarem prontos para dar início a mais um ciclo educacional em João Pessoa. “Temos um planejamento voltado para a família, onde existe uma grande parceria entre a comunidade e a escola”, contou a diretora da Escola Municipal João Medeiros, Fátima Chaves. “Estamos oferecendo muita afetividade, muito amor e muita aprendizagem aos nossos alunos”, garantiu.
 
O diretor da Escola Municipal Darey Ribeiro, Israel Gomes, afirmou que toda a equipe está pronta para o retorno dos estudantes. “Queremos melhorar cada vez mais a nossa atuação e temos certeza que isso será possível por termos gestores que demonstram estar atentos às necessidades dos estudantes e dos profissionais da educação”, afirmou.
 
Acessibilidade e segurança – O início do ano letivo também vai marcar uma nova fase na vida dos estudantes com deficiência física na Capital. A partir desta quarta-feira (4), 12 ônibus com acessibilidade passarão a cobrir toda a cidade, garantindo o transporte dos estudantes especiais de casa até a escola e também no caminho de volta. Outro diferencial será a ronda escolar, que chegará a quase 50 escolas municipais. A ação será possível devido ao aumento do contingente da Guarda Municipal. Na última segunda-feira (3), 250 novos agentes foram nomeados, depois de serem aprovados no concurso público.
 
Palestra – O evento de acolhida dos profissionais da educação para o início do ano letivo foi encerrado com a palestra “Ensino como pesquisa – liberdade, autonomia, reflexão e desejo de utopia”, ministrada pela professora e pesquisadora Maria do Rosário da Cunha Peixoto, da Pontífice Universidade Católica de São Paulo (PUC – SP).
 
Para a acadêmica, é necessário integrar a pesquisa como parte da rotina do ensino para que se possa ampliar o conceito de educação das crianças e adolescentes. “A pesquisa precisa ser o eixo que organiza as atividades em sala de aula. Toda a organização curricular deve ser baseada neste sentido para que possamos proporcionar uma nova esfera de participação com os nossos estudantes”, defendeu.
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.