Marco Lima

Marco Lima tem graduação em Educação Artística, com habilitação em Música, Especialista em Educação Infantil e Mestre em Serviço Social (UFPB), tendo como área de Pesquisa a Educação Inclusiva de Pessoas com Deficiência Visual. Atua como Professor de Música no Instituto dos Cegos da Paraíba Adalgisa Cunha. Presidente da Federação Espírita Paraibana, foi co-fundador do Grupo Acorde.


Pontes e não muros

Nossas reflexões inicias para 2019, exaltam a importância do dia 21 de Janeiro consagrado à conscientização e combate à intolerância religiosa no Brasil. O diálogo inter-religioso é o antídoto mais eficaz para se combater a intolerância, o fanatismo religioso e construir alternativas para a construção de pontes em favor da cultura da pacificação.      

A Doutrina Espírita tem como pilastras fundamentais, baseadas nas Leis Morais; a liberdade, a fraternidade e a solidariedade humana. Em nome desse ideal, a Federação Espírita Paraibana vem acolhendo a proposta do Encontro da Diversidade Religiosa e do respeito às demais religiões, crenças, credos e tradições. Algumas ações são realizadas em parceria com o grupo VIDELICT da Universidade Federal da Paraíba. Consideramos o acolhimento respeitoso a diversidade religiosa como um dever de casa, haja vista que nos Congressos Espíritas realizados pela FEPB, consta na programação, o diálogo inter-religioso com a presença de representantes de diversas denominações religiosas, para que a cultura do diálogo comece a partir das nossas próprias atividades internas e emanem em direção à sociedade. A proposta é portanto, criar pontes e não muros; pontes de diálogos onde possamos aprender uns com os outros e se possível também compartilhar o que entendemos sobre religião, o Cristo, a mensagem do Evangelho e dos demais princípios que nos unem.

Afirma o Padre jesuíta Teilhard de Chardin: “Tudo o que sobe, converge”, neste sentido podemos inferir que estamos em busca de convergências, mas respeitando as diferenças. Nessa perspectiva, devemos avançar recebendo com alegria e respeito a diversidade do pensamento religioso, buscando estabelecer confluências, diálogos e respeito aos direitos humanos.

O poeta e compositor pernambucano, Nando Cordel, na sua magnífica canção Paz pela Paz, enfatiza que a Paz do Mundo começa em nós, e alerta que chegou a hora da gente construir a paz, ninguém suporta mais o desamor. Então, vamos emanar amor e respeito a todos que sinceramente se dedicam ao desenvolvimento da sua espiritualidade em nome do Sagrado.

Comentários