Policial com sinais de embriaguez avança sinal e causa acidente; Veja vídeo

Um Capitão da Polícia Militar que também é médico do Hospital Edson Ramalho foi apontado como o causador de um acidente grave, mas sem vítimas fatais, ocorrido no fim da noite de ontem na avenida Ruy Carneiro, uma das principais da cidade de João Pessoa, capital da Paraíba. O carro atingido pelo PM foi um Logan, dirigido por um músico que preferiu não se identificar temendo represálias. O rapaz contou ao Paraíba Verdade, da Rádio Arapuan FM que, mesmo com o sinal verde para ele, olhou para os lados e viu o Fiesta (dirigido pelo policial) ao longe. “Eu só não pensei que ele viesse numa velocidade tão alta. Em frações de segundo, o veículo nos atingiu”.

O Fiesta, segundo a vítima, trafegava no sentido Centro Praia quando atingiu o Logan. O músico voltava de um evento promovido pela Igreja Católica no Busto de Tamandaré, junto com mais três pessoas. Apesar do motorista não apresentar ferimentos, dos outros dois ocupantes do veículo não tiveram a mesma sorte. Ainda não está descartada a necessidade de cirurgia para ambos.

“Deus me deu um grande livramento. Estou aqui para contar o que houve, mas o carro teve perda total”, resumiu o músico.

Além do susto, ele disse que se surpreendeu com a atitude dos policiais que atenderam a ocorrência: “Houve uma dificuldade grande na abordagem do cidadão e ele fez o teste do bafômetro que apontou grau alcóolico de 0,47. Ele deveria ter ficado preso, mas esse procedimento não foi cumprido. No local do acidente, estava a Polícia Militar e o BPTran que o levaram à delegacia, mas não sei o que aconteceu depois disso”. O motorista prosseguiu: “Eu fico indignado com duas coisas: jogamos muito para os políticos as atitudes que a gente não tem. Um médico que já salvou muitas vidas, saindo de um plantão na segunda-feira à noite bêbado e avançando sinal vermelho é algo que deve ser apurado. A outra coisa é que existe um sentimento de corporativismo da Polícia porque eles impediram que o rapaz fosse filmado”.

De acordo com o músico, o médico teria sido identificado como Sérgio de Oliveira Lucena, 48 anos. “Ele estava com várias garrafas de Heineken dentro do carro e com sinais de embriaguez. Ele estava no telefone, percebi que estava sendo instruído e aí começou a juntar as garrafas e botar para fora do carro. Mas, pessoas dos prédios vizinhos começaram a descer e entre elas um policial que impediu que a cena fosse alterada”, disse.

Comentários