Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Polícia Civil faz paralisação hoje e deputado cobra contratações

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Hoje é dia de paralisação para os 1.400 agentes da Polícia Civil da Paraíba. A mobilização integra um movimento nacional para pressionar o Congresso Nacional a aprovar o Projeto de Emenda à Constituição (PEC) 446 que fixa em R$ 3,5 mil o piso salarial nacional dos agentes das polícias Civil, Militar e do Corpo de Bombeiros. Por causa da paralisação dos policiais, cerca de 8 mil processos e inquéritos policiais devem ser interrompidos, além de inviabilizar a emissão de boletins de ocorrência.

Apesar de se tratar de um movimento de âmbito nacional, o delegado geral da Polícia Civil, Canrobert Rodrigues, afirmou não ter sido informado a respeito da paralisação e admitiu proceder o corte de ponto de quem faltar ao trabalho nesta sexta-feira, 23.

Em tom de alerta, o presidente da Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba (Aspol), Flávio Moreira, declarou que esse pode ser o último aviso da categoria antes da deflagração de uma greve geral nacional. “Exigimos a rápida aprovação da matéria. A Câmara dos Deputados está há pelo menos dois meses nos enrolando e não analisa a questão. Isto não pode persistir”, destacou.

Ele explicou ainda que um prazo de mais uma semana será dado ao Poder Legislativo para que a PEC seja finalmente votada e que se isto não acontecer a greve será deflagrada. “Vamos esperar, mas já temos uma outra assembleia geral marcada para a semana que vem. Se não tivermos novidades, a greve poderá ser confirmada já neste próximo encontro”.

Contratações – O deputado Romero Rodrigues cobrou na Assembleia Legislativa da Paraíba a necessidade do Governo do Estado de contratar os concursados da Polícia Civil da Paraíba. Ele informou que tem recebido diversas correspondências dos concursados pedindo a intervenção a respeito da necessidade de cobrar do Governo providências, visando sensibilizar o Poder Público com referência a questão. Ele recebeu uma correspondência pedindo que continue apoiando os concursados e rogando a Deus que “o instrua a nos ajudar nessa jornada que já passa de um ano desde os nossos primeiros testes”.

O candidato classificado disse em sua correspondência que “o concurso vem se arrastando a mais de um ano. Só Deus mesmo para saber o tanto que estudamos, nos dedicamos, para passar nesse certame. Tivemos de nos desdobrar depois das provas escritas, para nos colocar em forma e passar no teste físico. Foram dias de muito sacrifício. Tivemos exame médico, depois psicotécnico, enfim, todas as fases foram desgastantes intelectual, física e emocionalmente. Abandonamos nosso lazer, o divertimento do fim de semana, abandonamos alguns até nosso próprio emprego para se dedicar aos estudos e treinos para a Polícia Civil. Para muitos, ser da Civil é um sonho de criança, para outros tantos é um futuro mais promissor em um cargo público com estabilidade, para outros mais se trata da possibilidade de formar uma família com o salário que receberemos entre outros ideais”.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Arthur Urso leva “esposas” para passear sem roupa íntima na orla de João Pessoa

Professores da UFPB desistem de candidatura e apoiam Terezinha e Mônica

Anteriores

f6e0316c-7fcf-455c-97a6-45997afb091b

Relatório de Efraim à PEC que criminaliza o porte de drogas é aprovado no Senado

camaradiasdavila

Vereadores de município baiano aprovam reajuste de R$ 0,46 para professores

chuvasjp (2)

João Pessoa tem média de 29 mm de chuvas em 24 horas, mas sem ocorrências graves

alpbabre (1)

ALPB garante acompanhantes para mulheres em procedimentos médicos com sedação

odonecico

Sancionada Lei que proíbe fogos de artifício com estampido em João Pessoa

1713220734661dac7e30ef1_1713220734_3x2_lg

Unimed manda cancelar plano de saúde de idosa de 102 anos

alph-ufpb (1)

Caso Alph: Ex-namorada é julgada pela morte de estudante da UFPB

Unimed JP 1

Unimed JP abre seleção para médicos atuarem em unidade de serviço domiciliar

Gervásio Maia, deputadoo

Projeto de Gervásio quer garantir fornecimento gratuito de repelentes para inscritos no CadÚnico

Vitor Hugo e Wallber Virgolino

Vitor Hugo diz que se Wallber entrar em bairro de Cabedelo será metralhado; deputado reage