Polícia civil confirma greve e desautoriza Aspol

O president do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil do Estado da Paraíba, Antônio Erivaldo de Sousa, conversou com o Parlamentopb e confirmou que a categoria entra em greve nesta sexta-feira, 4, junto com os delegados. Segundo ele, o indicativo foi aprovado em assembleia e já comunicado de maneira oficial às autoridades da área da Segurança Pública. O dirigente disse que a situação só será modificada se o Governo oferecer uma proposta compatível com a PEC 300.

Erivaldo acrescentou que a decretação de ilegalidade da greve da Polícia Militar não influi na decisão dos civis:

– Não tem qualquer influência. Ontem mesmo comunicamos oficialmente ao governador do Estado o nosso estado de greve. Já comunicamos a todas as autoridades da Segurança.

Com a greve da polícia civil, só serão atendidos os flagrantes e os prazos serão suspensos, incluindo os inquéritos em andamento e as investigações. Erivaldo afirmou que apenas 30% dos servidores continuarão cumprindo suas funções durante a greve:

– Hoje, com 100% trabalhando, já sentimos dificuldades, imagine com 30%. Nosso desejo é de que não haja a paralisação e ainda há tempo do Governo fazer uma proposta.

Aspol – Antônio Erivaldo não escondeu sua insatisfação com o fato de a Associação dos Policiais Civis de Carreira da Paraíba (Aspol-PB) ter emitido uma nota descartando o engajamento da polícia civil na greve inicialmente deflagrada pela PM:

– Essa entidade não participou da assembleia, não faz parte do Fórum das entidades de Segurança Pública e é rejeitada pela categoria porque ela mesma provocou o Ministério Público para entrar na Justiça suspendendo os efeitos da lei conhecida como PEC 300 da Paraíba. Uma entidade deve defender os interesses dos trabalhadores. O Sindicato dos Servidores da Polícia jamais iria mover uma palha contra os interesses da categoria.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.