Wilson Santiago diz que delator quer favorecimento e implicá-lo de forma pessoal

O deputado federal Wilson Santiago emitiu nota na qual declara que o delator George Ramalho que levou seu nome à Operação Pés de Barro, da Polícia Federal, “busca a todo momento, construir relações que possam nos implicar de forma pessoal e criminalizar o trabalho parlamentar.”

Ainda segundo Wilson, o empresário delator quer ter favorecimento pessoal e evitar condenação fazendo a delação premiada.

As investigações da Operação Pés de Barro apuram pagamentos de vantagens ilícitas (“propina”) decorrentes do superfaturamento das obras de construção da “Adutora Capivara”, a qual se trata de um sistema adutor que deve se estender do município de São José do Rio do Peixe/PB ao município de Uiraúna/PB, no Sertão da Paraíba.

As ordens de busca e apreensão, prisão preventiva e suspensão do exercício de funções públicas foram expedidas pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal – STF, tendo em vista a previsão constitucional de foro por prerrogativa de função de um dos investigados, que é o deputado federal Wilson Santiago, o qual foi afastado do cargo pelo Supremo.

Saiba mais

Operação da PF prende prefeito e cumpre mandado de busca na casa de Wilson Santiago

Veja a nota de Wilson Santiago na íntegra

Na manhã de hoje fomos surpreendidos por Operação da Polícia Federal. A operação em questão foi baseada na delação do empresário George Ramalho, o qual foi preso em abril de 2019 na Operação Feudo. Segundo as informações preliminares, o delator iniciou no segundo semestre de 2019 a construção de um roteiro, que servisse como base para acordo que lhe favorecesse na operação que foi alvo de prisão. O delator busca a todo momento, construir relações que possam nos implicar de forma pessoal e criminalizar o trabalho parlamentar.

Fica evidente, que o delator usa um princípio jurídico que veio para ser um instrumento de promoção de justiça, como artifício para favorecimento pessoal e evitar condenação na Operação Feudo. Temos certeza que esse tipo de ação criminosa será coibida. Não podemos aceitar que a ação política fique refém dessas práticas. Dessa forma, tomaremos as medidas cabíveis para que a verdade venha à tona, com o esclarecimento das questões objeto da investigação e nossos direitos sejam restabelecidos. Estamos a disposição da Justiça para colaborar em todo o processo.

Wilson Santiago

Deputado Federal

Comentários