PDT e PR cobram mais espaço no governo Dilma

Brasília e Salvador – A presidente Dilma Rousseff vai inciar, depois do carnaval, uma série de encontros com partidos da base aliada, em especial com as bancadas da Câmara. A promessa foi feita na reunião do Conselho Político, e os encontros devem ocorrer em março. As conversas servirão para resolver “contenciosos”, como o espaço do PDT e até do PR no primeiro escalão do governo.
 
O PDT já não esconde mais a insatisfação com a demora na escolha de um nome da sigla para ocupar do Ministério do Trabalho, onde o interino Paulo Roberto Pinto está desde o início de dezembro, quando Carlos Lupi deixou o cargo. Na semana passada, o próprio Lupi disse que trataria do assunto com o Palácio do Planalto.
 
PDT ameaça votar contra fundo do servidor – O incômodo do PDT tem aparecido nas sessões da Câmara. O partido tem ameaçado votar contra o projeto que cria o Regime de Previdência Complementar do Servidor Público da União (Funpresp). Aliado ao PSDB, DEM, PSOL e ao PR, o PDT fez coro à proposta de adiamento da votação do Funpresp na primeira semana de fevereiro, o que irritou o Planalto.
 
Dentro do PDT, os nomes cotados continuam sendo do deputado Vieira da Cunha (PDT-RS), que foi colega de Dilma quando era pedetista, e o secretário-geral da sigla Manuel Dias. A presidente baterá o martelo sobre o escolhido, devendo pesar muito na sua decisão a proximidade que tem com Vieira da Cunha.
 
A presidente tem que resolver também o futuro do PR, que já tem promessa de voltar à Esplanada. Nesta semana o PR voltou, oficialmente, a frequentar o Palácio do Planalto.
 
No mesmo dia da reunião do Conselho Político, os líderes do partido na Câmara, deputado Lincoln Portela (MG), e no Senado, Blairo Maggi (MT), estiveram com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti.
 
Cauteloso, Lincoln evita falar em cargos, preferindo dizer que se trata de reaproximação, mas repete uma frase do colega Blairo Maggi:
— Se você me convida para o baile, é porque quer dançar comigo.
 
PR vota com governo, mas se diz independente – O PR tem votado com o governo, mas se autodenomina como “independente”. Para Lincoln, eventuais espaços dentro da administração ocorrerão como “consequência” dessa volta do partido à base aliada:
 
— O governo vai querer que o PR dê a sua contribuição. Mas isso é consequência.
 
— A presidente vai receber os partidos da base a partir de março, para tratar das pendências — afirma o líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), depois da reunião do Conselho Político.
 
Dilma volta hoje pela manhã para Brasília com a família, encerrando o descanso carnavalesco na Praia de Inema, área privativa da Marinha na Base Naval de Aratu, na Região Metropolitana da Bahia. Antes de embarcar, ela vai se encontrar com o governador Jaques Wagner (PT).
 
A assessoria da Presidência da República não confirmou que Dilma tenha aproveitado a terça de sol para um giro de lancha pelas ilhas da Baía de Todos os Santos. A presidente passou o carnaval em companhia da mãe, dona Dilma Jane, da tia, dona Arilda, da filha Paula, do genro e do neto Gabriel. (Com a agência A Tarde)
 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.