Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Paraíba firma parceria com pesquisadores americanos para tratar pacientes com Covid-19

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), assinou nessa quarta-feira (03), um Protocolo de Intenção com a empresa norte americana Soterix Medical e pesquisadores da City College de Nova Iorque, com a finalidade de desenvolver uma pesquisa de assistência a pacientes diagnosticados com a Covid-19.

De acordo com o secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, foi estabelecido um acordo de uma cooperação científica por meio da pesquisa “Diagnóstico e prognóstico de infecção por SARS-Cov2 após a neuroestimulação”. Ou seja, será realizado um trabalho de neuroestimulação com pacientes Covid-19 internados na UTI do Hospital Metropolitano. Para a pesquisa, serão utilizados aparelhos estimuladores da Soterix Medical que foram produzidos por pesquisadores da City College.

“Ainda não há ainda um número definido de pacientes que participarão da pesquisa. Mas o que se espera é que a utilização desses aparelhos torne a evolução e a convalescência desses pacientes graves que estão internados na UTI mais curta e com menor número de sequelas”, pontua.

Para dar início à pesquisa, alguns profissionais de saúde do Hospital Metropolitano serão treinados virtualmente pelos pesquisadores norte americanos, para a nova tecnologia apresentada, que é a neuroestimulação. Uma equipe de pesquisadores da UFPB estará na retaguarda, dando o suporte presencial. Segundo a assessora de Educação em Saúde da SES, Vanessa Cintra, com a pesquisa, a Paraíba começa a abrir um leque de possibilidades de tratamento para os pacientes que estão com Covid-19 e até mesmo para os pacientes pós-covid e as repercussões da doença.

“Essa é uma pesquisa inovadora, mas todas as evidências científicas mostram que não há nenhum efeito adverso e não atrapalham o tratamento. É um tratamento adjuvante. Os treinamentos estão previstos para começar na semana que vem, assim como a chegada dos equipamentos de neuroestimulação. Uma vez que nossos profissionais forem treinados, eles vão fazer a neuroestimulação. Porém, os pesquisadores é que vão fazer todas as anotações e fazer o entendimento científico se essa intervenção for oportuna para o coronavírus”, explica.

A expectativa de trabalho é em torno de seis meses. Porém, a pesquisa pode alcançar até dois anos. O que vai determinar a duração é o número de casos e o efeito positivo à medida que for aplicando o protocolo. Os principais pesquisadores são Abhishek Datta, da Soterix Medical; Suellen Andrade, da UFPB; Daniel Beltrammi, Vanessa Meira Cintra e Paulo Antônio Lucena, da SES.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Anteriores

edsonfachin

Ministro do STF decide arquivar ação contra reeleição antecipada de Adriano Galdino

Sodiê

Governo da Paraíba dispensa emissão de documentos fiscais em mercadorias doadas ao RS

lovina

MPF intervém e Prefeitura de Cabedelo demole obra ilegal de contenção marítima do Lovina

chuvasrs (1)

Com chuva forte, água sobe pelos bueiros e volta a inundar ruas em Porto Alegre

1af1367b-89e5-4e87-ae7e-586266147ed4

Paraíba participa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite a partir de segunda

tourinho1 (1)

APCA homenageia imprensa da Paraíba com a Comenda Acadêmico Mário Tourinho

Poste, batida

Paraíba registra 242 colisões em postes este ano; João Pessoa e Campina lideram

Lixão a céu aberto

Prefeitura de Catolé do Rocha deve pagar indenização por lixão a céu aberto

Luciano Cartaxo 3

Luciano Cartaxo tem alta e deixa hospital em João Pessoa

PF operação

Operação da PF mira empresas clandestinas de segurança privada