Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Padrasto tenta culpar ex-esposa, mas pega 42 anos por assassinato de Júlia

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Foi condenado a 42 anos e seis meses de prisão o técnico de elevadores Francisco Lopes de Albuquerque, também conhecido como ‘Saboia’, padrastro que confessou o estupro, morte e ocultação de cadáver de Júlia dos Anjos, crime cometido em abril de 2022. O corpo da garota foi encontrado dentro de um reservatório de água no dia 12 de abril, cinco dias depois do desaparecimento dela.

Já passava das 18h desta terça-feira (18), quando a juíza que atua no 2º Tribunal do Júri da Comarca de João Pessoa, Aylzia Fabiana Borges Carrilho, sentenciou o réu’. A pena deve ser cumprida em regime inicialmente fechado. A unidade prisional que o réu vai iniciar a pena será estabelecida pela Vara de Execução Penal (VEP) da Capital.

Em seu depoimento hoje, “Saboia” voltou atrás e negou que tivesse matado a enteada. Ele tentou responsabilizar a mãe da menina, afirmando que ela teria oferecido a vida da filha em um ritual de ocultismo. A tese, contudo, não convenceu o júri.

O Ministério Público ofereceu denúncia contra ‘Saboia’ afirmando que no dia 7 de abril de 2022, por volta das 3h30, na residência localizada na Avenida Joaquim Ribeiro dos Santos Meira Silva, nº 102, Bairro de Gramame, em João Pessoa, o réu assassinou sua enteada, menor de 14 anos, por motivo torpe, mediante asfixia e empregando recurso que impossibilitou a defesa da vítima, após estuprá-la, tendo ocultado o cadáver, conforme as provas juntadas ao caderno processual.

De acordo com Aylzia Fabiana Borges Carrilho, Francisco cometeu três crimes não idênticos, devendo-se, portanto, aplicar-se cumulativamente as penas privativas de liberdade para cada um deles. “Sendo assim, somo as penas aplicadas para totalizá-las em 42 anos e seis meses de reclusão e 50 dias-multa, no valor de 1/30 do salário-mínimo vigente à época dos fatos”, decretou.

Conforme a juíza, a ação delituosa executada pelo réu se mostrou bastante audaciosa, pois o delito foi cometido durante a madrugada, dentro de um quarto localizado ao lado do quarto da genitora da vítima, na casa da família, o que demonstra que ele não impôs limites em seus anseios mais primitivos, devendo ser, portanto, avaliadas negativamente.

A juíza continua: “A lesão ao bem jurídico tutelado não foi a única consequência do delito em análise, pois, junto com a morte da vítima, veio a perda de um futuro de uma menina que mal tinha entrado na adolescência, veio o aborto de um sonho de uma família em ver sua menina desabrochar, profissionalizar-se, casar, ter filhos, mas ficou o trauma da violência, a dor da perda e a saudade para uma vida inteira”.

Além do crime de homicídio, o réu foi condenado pelas qualificadoras do artigo 121, parágrafo 2º, incisos I (motivo torpe), III (com emprego de asfixia), IV (mediante recurso que impossibilitou a defesa da ofendida), V (para assegurar a impunidade de outro crime) e VI (contra mulher, por razões do sexo feminino); artigo 211 (ocultação de cadáver) e 217-A (estupro de vulnerável), todos do Código Penal.

Ainda segundo o processo, no dia dos crimes, a vítima estava dormindo em seu quarto, no imóvel em que reside com sua mãe e padrasto, quando ‘Saboia’ entrou e “estuprou e, em seguida, a asfixiou com as próprias mãos”. Após a prática dos delitos, informa os autos, Francisco removeu o corpo, colocou-o em seu automóvel e se dirigiu até um local ermo, próximo à sua residência, onde ocultou o cadáver em um poço com mais de dez metros de profundidade. Ato contínuo, retornou a sua casa para dormir tranquilamente.

A acusação afirma que, na esfera policial, Francisco apresentou, inicialmente, versão do fato que foi rebatida pelos demais elementos trazidos ao processo, inclusive pela análise de câmeras de segurança. “Destaque-se que o acusado, para não levantar suspeitas, participou das buscas pela vítima e compareceu espontaneamente à delegacia várias vezes. No entanto, ao ser confrontado acerca das divergências em sua narrativa, o réu finalmente confessou os delitos.

Confira o vídeo de 2022, pouco tempo antes de Francisco ser preso.

Defesa já esperava – O advogado de Francisco, Daniel Allison, antecipou pela manhã no Jornal Manaíra (103,3 MHZ) que a condenação já era esperada. Ouça.

 

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Taioba Discos inaugura primeira loja física em JP com Soft Opening exclusivo

Banco do Nordeste nomeia novo superintendente na Paraíba

Prefeito paraibano fala de “infelicidade” de ter filhos autistas e servidora acrescenta: “São doidos”

Anteriores

WhatsApp Image 2024-07-23 at 18.03.33

Agência Francesa: Cícero e Dinho assinam termo para empréstimo de 55 milhões de euros

In this photo illustration being displayed one hundred and two hundred reais bills and a one reais coin highlighted. The Real is the current money in Brazil.

Pesquisa revela que 40% dos paraibanos estão inadimplentes

Mariana-Thomaz

Pena de Johannes Dudeck é aumentada para 34 anos e seis meses

Corrida-do-Bob-Esponja-acontecera-no-dia-28-de-jul0017396700202407150610-3

Imagineland 2024 terá ônibus gratuito para transporte do público, em João Pessoa

aaaa

Criança de 4 anos morre atropelada por caminhão após descer de van, na rodovia PB-073

1280x962-20230626174815-Inscrições para o Prouni começam nesta terça-feira

Inscrições para processo seletivo do Prouni começam nesta terça

Foto - Cofeci Refoma Tributária Comissão

Reforma tributária: Presidente do Cofeci celebra conquista histórica

Gervásio e o prefeito de Mataraca, Egberto Madruga

Gervásio Maia participa de reunião na Sudene e destaca aprovação de financiamento

João Pessoa empregos

Ministério do Turismo inclui João Pessoa e Campina entre as Cidades Criativas do Brasil

OAB, vaga de desembargador

OAB-PB registra 21 candidaturas nas eleições para desembargador do TJ; confira a lista