Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Paciente sai do Juliano Moreira após 30 anos de internação

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Sair do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira e viver com sua família era o sonho de João Henrique Paulino da Silva, 66 anos, que, há cerca de 30 anos, estava internado naquela unidade. O desejo dele foi realizado no dia 17 de junho deste ano, quando a irmã caçula, Maria José da Silva, 50 anos, o tirou do hospital. Como Seu João, outros 50 pacientes internos no complexo estão de alta médica, só esperando que seus familiares lhe acolham.

Hoje, João está morando com a irmã, o cunhado, dois sobrinhos e a mãe de criação numa pequena granja na Rua Guiomar Nunes, no Loteamento Papa Paulo VI, no conjunto Alto das Populares, em Santa Rita. Mesmo com a idade avançada, João Henrique é lúcido. Agora, na casa da irmã, ele afirmou que apesar do sonho ter demorado 30 anos, se sente um homem realizado e foi enfático ao dizer que não quer voltar nunca mais para o Juliano Moreira, nem mesmo para rever os amigos.

“O meu sonho era voltar a viver com os meus familiares. Lá no Juliano tem muitas pessoas boas, fiz muitas amizades, fui bem tratado, recebi carinho, atenção e amor, mas, mesmo assim, prefiro terminar os meus dias ao lado da minha família. Minha irmã cuida bem de mim, me leva para o médico e além de tudo, tenho carinho, amor e respeito”, disse João.

Abandono – A dona-de-casa Maria José da Silva, irmã de João Henrique, revelou que o medo foi o principal motivo para ela não trazer o irmão para casa, antes. Ela lembra que João Henrique, quando estava em crise, ficava muito agressivo. “Como meus filhos eram pequenos eu temia colocá-lo dentro de casa com medo que ele fizesse alguma coisa com as crianças”, justificou.

Maria José lembrou que todas as vezes que expressava o desejo de pegar João Henrique para morar com ela, os irmãos eram contra e sempre alertavam que ela iria enfrentar muitos problemas e trabalho. Ela lembrou que João Henrique começou a apresentar problemas mentais quando tinha pouco mais de 20 anos, depois que matou um irmão e tentou matar a própria mãe.  “As atitudes dele eram de quem estava doido e por isso a família resolveu internar”, disse.

Primeiro ele passou uns tempos no Manicômio Judiciário onde cumpriu a pena pela morte do irmão e depois foi transferido para o Complexo Juliano Moreira, onde permaneceu por cerca de trinta anos.  Depois do internamento, todos os irmãos de João Henrique foram embora da Paraíba e só Maria José, que residia em São Paulo, decidiu voltar há cerca de 10 anos. “Depois que eu assisti a uma reportagem na televisão aonde o curador Valberto Lira pedia para que as pessoas que tivessem parentes idosos no Juliano fossem buscar, eu fiquei mais comovida e decidi fazer o que tinha vontade”, contou.

Outros – Dos 51 pacientes internos no Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira que estão de alta médica e foram abandonados pelos familiares, apenas João Henrique Paulino da Silva voltou a viver com os parentes. Em maio deste ano, o hospital começou uma campanha de sensibilização junto aos familiares e através da imprensa. No mês, seguinte, a irmã de João Henrique foi buscá-lo.

A superintendente do complexo, Clélia Lucena de Andrade Gomes, orientou a Maria José que ela procurasse o Ministério Público, que é parceiro do Juliano Moreira nessa luta de encontrar os familiares dos pacientes abandonados. Na Promotoria do Cidadão, ela assinou um termo de responsabilidade.  No documento, o promotor Valberto Cosme de Lira deixou claro que os familiares, em hipótese alguma, estão autorizados a fazer empréstimo bancário em nome do paciente, uma prática comum em todo o Brasil.

Residentes – A diretora do Complexo Juliano Moreira, Clélia Lucena, explicou que alguns pacientes já vivem há trinta anos no local e passaram a ser chamados de “pacientes residentes”. O abandono já foi comunicado ao Ministério Público do Estado. Para evitar que pessoas deixem familiares e dêem endereços e nomes falsos, o Serviço Social do complexo está fazendo uma triagem rigorosa e, agora, só aceitam pacientes com identificação e comprovante de residência.

Clélia Lucena lamentou a situação de abandono familiar em que se encontram esses internos e destacou que a família desempenha um papel importante na recuperação e cura dos pacientes. “Se o paciente recebe atenção, amor e carinho, sua cura acontece com maior rapidez e eficiência”, disse.

 “São 24 mulheres e 26 homens que podemos dizer que moram aqui, porque não têm para onde ir”, disse a assistente social do Complexo Juliano Moreira, Maria Nadja de Araújo Aureliano. Ela explicou que esses pacientes já estão recuperados e poderiam estar morando com os seus familiares, mas, ao internarem seus doentes, eles forneceram endereços errados para que não fossem localizados.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Incidente no Restaurante Garden: entenda o que realmente aconteceu

Anteriores

joaobelga

Paraíba terá Centro de Distribuição e fábrica de esquadrias de PVC de empresa da Bélgica

Artêmio Picanço, advogado

Advogado considera “surreal” decisão da Justiça da Argentina pela prisão domiciliar de Antônio Neto; veja

Igreja Matriz de Monteiro

Polícia procura mulher suspeita de furtar dinheiro de ofertas da Igreja Matriz, de Monteiro

PF Operação Rescue

Operação da PF prende homem por armazenar imagens de abuso sexual de crianças

Concurso, freepik 1

MP recomenda retificação de edital do concurso para Guarda Civil de Santa Rita

PF operação Pombo, Objetos encontrados em casa de funcionários dos correios

PF investiga desvio de encomendas dos Correios e apreende objetos em casa de servidor

João Pessoa linda demais, secom pb

João Pessoa é destaque entre os Top 10 Destinos de Viagem para o mês de julho

Fábio Andrade, procurador-geral do Estado

Estado aprova lista de acordos diretos de precatórios com 593 propostas e R$ 78 milhões

Sérgio Moro 22

Por unanimidade, TSE rejeita cassação do mandato de Sergio Moro

Perilo Lucena, juiz

Ação alerta contra abuso e exploração sexual infantil nos festejos juninos de CG