Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Orçamento de 2023 prevê Auxílio de R$ 400 e salário mínimo sem ganho real

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

O presidente Jair Bolsonaro (PL) enviou nesta quarta-feira ao Congresso Nacional a sua proposta do Orçamento de 2023, que não tem espaço para contemplar suas principais promessas de campanha. O texto prevê, oficialmente, o valor mínimo de R$ 400 para o Auxílio Brasil no próximo ano — com benefício médio de R$ 405 mensais —, apesar de Bolsonaro repetir no discurso de campanha pela reeleição o compromisso de manter o valor mínimo atual de R$ 600.

O projeto propõe ainda salário mínimo de R$ 1.302 em 2023, no quarto ano sem aumento real, e não prevê correção da tabela do Imposto de Renda, outra promessa do presidente. Também não está prevista no Orçamento a manutenção de benefícios para caminhoneiros e taxistas, vigentes até dezembro. A ampliação do vale-gás também só vale até dezembro.

O texto prevê um espaço de R$ 14,2 bilhões para reajuste salarial de servidores públicos, sem indicar percentuais. O montante não é suficiente para um aumento linear aos funcionários públicos — que têm salários congelados desde 2019 — que seja capaz de compensar ao menos a inflação projetada para este ano. Já as emendas parlamentares tiveram garantidos R$ 38,7 bilhões na proposta de Bolsonaro ao Congresso, o maior valor reservado a deputados e senadores na História.

Embora o Orçamento proposto pelo governo preveja Auxílio Brasil de R$ 400 como valor mínimo, o texto apresenta, como esperado, uma espécie de compromisso com “esforços” para subir o valor para R$ 600 no próximo ano. A manutenção do valor do benefício é também uma promessa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato que lidera as pesquisas.

“Outrossim, o governo federal reconhece a relevância da referida política pública e a importância da continuidade daquele incremento para as famílias atendidas pelo Programa. Nesse sentido, o Poder Executivo envidará esforços em busca de soluções jurídicas e de medidas orçamentárias que permitam a manutenção do referido valor (R$ 600) no exercício de 2023 mediante o diálogo junto ao Congresso Nacional para o atendimento dessa prioridade”, afirma o governo, em apresentação sobre o Orçamento do próximo ano.

O tema é polêmico porque o benefício atual de R$ 600 só vale até dezembro — a legislação aprovada no Congresso para viabilizar esse aumento prevê recursos somente até o fim deste ano. Depois, voltaria para R$ 400. O governo justifica que precisa usar o marco legal atual para escrever a proposta orçamentária. E o marco legal hoje prevê que o benefício volte a R$ 400 em 2023.

No entanto, essa questão dá o principal argumento da candidatura de Lula para neutralizar o efeito eleitoral do aumento do benefício, o de que se trata de uma armadilha para ganhar votos e reduzir o valor depois do pleito. Simone Tebet (MDB) e Ciro Gomes (PDT) também se comprometem com R$ 600.

Benefícios para taxistas e caminhoneiros também estão fora

A proposta orçamentária também não renova o benefício de R$ 1 mil mensais concedido a taxistas e caminhoneiros para compensar a alta recente dos preços dos combustíveis. Por outro lado, mantém a redução dos impostos sobre os combustíveis.

A promessa de manter o benefício em R$ 600 está na Mensagem e na Exposição de Motivos enviada aos parlamentares, mas esses dispositivos não são o projeto de lei em si.

— O Auxílio Brasil é um compromisso e consta na mensagem porque é a forma que o Poder Executivo tem para conversar com os demais poderes — afirmou o secretário de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago.

Com mais de 20 milhões de famílias inscritas, o Auxílio Brasil de R$ 400 custaria R$ 110 bilhões no próximo ano — valor que consta no Orçamento. Neste ano, o programa custava R$ 90 bilhões antes de ser ampliado temporariamente e por conta da campanha à reeleição de Bolsonaro.

Já o benefício de R$ 600 teria um custo de R$ 160 bilhões. Por isso, para integrantes do governo, seria preciso aprovar uma nova proposta de emenda à Constituição (PEC) ainda neste ano para garantir o valor mais alto também em 2023.

Essa PEC seria necessária para alterar o teto de gastos, a regra que trava as despesas da União à inflação do ano anterior. O teto já foi alterado neste ano justamente para comportar os benefícios criados às vésperas do pleito, na chamada PEC Eleitoral.

— A regra fiscal hoje em dia não comporta uma despesa a mais de R$ 52 bilhões. É preciso uma alteração constitucional — afirmou o secretário. — É preciso sim alterar o teto de gastos. A regra atual não comporta. A gente vai ter um presidente eleito. E ele vai ter todas as condições de sentar com os Poderes e fazer todos os ajustes que precisam ser feitos. A gente tem convicção de que essas alterações vão respeitar a responsabilidade fiscal — afirma.

O governo propõe a aprovação do imposto de renda sobre dividendos (hoje isentos) e a venda da estatais para bancar o benefício de R$ 600.

— Nós vamos buscar fontes para serem medidas fiscalmente neutras — afirmou o secretário.

A proposta orçamentária do próximo ano também não renova o valor maior do Auxílio Gás. Até dezembro, esse benefício equivale a 100% de um botijão de 13 quilos a cada dois meses. Em 2023, o valor voltará a ser 50% do preço do gás de cozinha.

Caminhoneiros e taxistas

A PEC Eleitoral criou ainda auxílio mensais de R$ 1.000 para caminhoneiros e taxistas. Válidos até dezembro, esses benefícios não são renovados no Orçamento de 2023. Portanto, a previsão oficial do governo é que eles acabem em dezembro.

Por outro lado, a proposta orçamentária mantém a redução de impostos federais sobre os combustíveis. A medida custará cerca de R$ 55 bilhões.

Com articulação do governo, o Congresso zerou neste ano os impostos federais (PIS/Cofins e Cide) sobre gasolina, óleo diesel e biocombustíveis, além do gás de cozinha. Essa desoneração, porém, só vale até dezembro. Para renová-la, além da previsão orçamentária, será necessário aprovar novas leis no Congresso.

Prever no Orçamento de 2023 a manutenção da desoneração faz parte da estratégia eleitoral do presidente Bolsonaro. Assessores do presidente querem evitar notícias vistas como negativas nas vésperas da eleição.

A desoneração de impostos ajudou a reduzir o preço dos combustíveis, uma obsessão de Bolsonaro. Zerar os impostos sobre o diesel custará, em um ano, R$ 19 bilhões. Sobre a gasolina, esse custo é de R$ 36 bilhões.

Prazo legal

A proposta orçamentária de 2023 precisava ser enviada ao Congresso nesta quarta-feira por força da lei, mesmo que seja consenso que esse assunto só andará no Congresso em novembro.

Os próprios técnicos que cuidam da proposta sabem que o texto passará por muitas mudanças após as eleições e antes de entrar em vigor.

O projeto apresenta as propostas de despesas do governo para o próximo ano, além da previsão de receitas.

Orçamento apertado

Com um orçamento engessado, as despesas obrigatórias (ou seja, aquelas que não podem ser cortadas) chegarão a 93,7% do total. Dessa forma, os gastos não obrigatórios somarão R$ 132 bilhões. É um valor que inclui investimentos e manutenção da máquina pública.

— Não tem como a gente continuar convivendo com 93%, 94%, 95% de despesas obrigatórias. A gente tem uma caixa que está ocupada, não tem como conviver com isso — afirma o secretário. —A gente precisa rever a forma como o Orçamento é construído.

Os investimentos alocados em projetos somarão R$ 20 bilhões no próximo ano. É um valor que vem caindo a cada ano. Em 2020, foram R$ 21,6 bilhões. Em 2021, R$ 23,9 bilhões.

No total, o governo prevê que as despesas primárias (ou seja, os gastos efetivos do governo, que não contam o pagamento da dívida pública) será de R$ 2,313 trilhão. As receitas devem somar R$ 2,257 trilhão. Isso levará o governo a um déficit de R$ 65 bilhões bilhões no ano que vem.

O teto de gastos, a regra que trava as despesas da União à inflação do ano anterior, está fixado em R$ 1,8 trilhão. Esse valor, porém, será alterado porque desde o ano passado o teto é calculado sobre a inflação de janeiro a dezembro do ano anterior ao Orçamento — ou seja, o número apresentado nesta quarta-feira é feito com base em uma projeção.

 

O Globo Online

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Taioba Discos inaugura primeira loja física em JP com Soft Opening exclusivo

Banco do Nordeste nomeia novo superintendente na Paraíba

Prefeito paraibano fala de “infelicidade” de ter filhos autistas e servidora acrescenta: “São doidos”

Anteriores

transi

Trânsito entre os bairros José Américo e Água Fria será interditado nesta terça

1_img_6707-38939016

Advogada garante que assassino de Maria Vitória aliciou sete outras meninas; ouça

WhatsApp Image 2024-07-22 at 16.38.28

Francisco Fidelis registra candidatura à vaga de desembargador da Paraíba pelo Quinto Constitucional do TJ-PB

7c5c6b32-034e-4b1c-87c9-53518e96f3a4

Pagamento de julho dos servidores estaduais será feito nos dias 25 e 26

Pao-e-Leite-Divulgacao

Beneficiários do Pão e Leite têm até o fim de julho para atualizar cadastro

Promotoria-Sousa

MPPB expede recomendação sobre a vedação dos conselhos tutelares nas eleições

Gervásio com a prefeita Luciene e Raíssa, Brejo dos Santos

Gervásio participa de convenção que homologou chapa Luciene e Raissa em Brejo dos Santos

Bruno e Romero

Pedro diz que é mais fácil Romero manter aliança com Bruno e indicar nome do vice

Concurso, freepik 1

BNDES divulga edital de concurso com 150 vagas e salário de R$ 21 mil

Creci-PB - Fórum Sta Luzia

Em Bananeiras: Creci-PB participa de debate sobre instalação de Fórum de desenvolvimento urbano