Operação prende 12 em Campinas; vice-prefeito está foragido

A Polícia Civil realiza uma operação contra suspeitos de participar de um esquema de fraude em licitações na administração de Campinas (93 km de SP). Segundo a Corregedoria, 12 pessoas foram presas. Já a SSP (Secretaria de Segurança) diz que o número chega a 13.

O vice-prefeito de Campinas, Demétrio Vilagra (PT), o secretário de comunicação, Francisco de Lagos, e o secretário de Cooperação de Assuntos de Segurança Pública, Carlos Henrique Pinto, são considerados foragidos pela polícia. Outros cinco suspeitos também não foram localizados.

Entre os presos estão Ricardo Candia, ex-diretor de Urbanismo da Prefeitura de Campinas; Aurélio Cance Jr., diretor-técnico da Sanasa (empresa mista de tratamento de água e esgoto de Campinas), além de empresários da Camargo Corrêa e da Andrade Gutierrez.

Ao todo, foram expedidos 20 mandados de prisão preventiva. As prisões foram decretadas pela 3ª Vara de Campinas e decorrem de um processo de investigação que vem sendo realizado pelo Ministério Público Estadual desde setembro do ano passado.

Os promotores investigam supostas fraudes em licitações e em contratos da administração municipal, tendo como foco principal a Sanasa.

A operação contou com a participação da Corregedoria da Polícia Civil de SP e corregedorias auxiliares de Campinas, Sorocaba, Piracicaba, em parceria com o 1º Batalhão da Polícia Militar e da Rota.

Também foram apreendidos computadores, quatro armas, documentos e mais de R$ 30 mil. O corregedor Roveraldo Battaglini afirmou que a investigação está sob sigilo e que os documentos ainda passarão por perícia. Segundo ele, a prisão dos suspeitos tem prazo de cinco dias com possibilidade de prorrogar por mais cinco dias.

O advogado Augusto Botelho, que representa o diretor-técnico da Sanasa, Aurélio Cance Jr., informou que ainda não teve acesso ao processo e que, por isso, ainda não irá comentar o caso. Segundo ele, parte das informações foi obtida por meio escutas telefônicas desde janeiro.

A Folha não localizou os demais advogados para comentar o caso.

A Câmara Municipal de Campinas informou nesta manhã que instaurou uma comissão para apurar as denúncias. A comissão é composta por três vereadores.

 

Folha Online

TAGS

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.