Operação Calvário: diretor do Hospital Geral de Mamanguape é preso

O diretor administrativo do Hospital Geral de Mamanguape, Eduardo Simões Coutinho, foi preso na manhã desta quarta-feira durante a nova fase da Operação Calvário, deflagrada hoje.

A Operação Calvário, no Estado da Paraíba, foi iniciada e tem por objetivo investigar e desarticular uma Organização Criminosa (Orcrim) que, por seus agentes e núcleos de atuação, foi responsável pela prática de atos de corrupção, lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos em contratos firmados com as unidades de saúde e educação deste Estado e cujos valores ultrapassam a barreira de 1 bilhão de reais. Essa organização igualmente atuou em outras unidades da federação, a exemplo do Estado do Rio de Janeiro.

O objetivo desta quinta fase foi cumprir diversas ordens emitidas pelo desembargador relator Ricardo Vital de Almeida do Tribunal de Justiça da Paraíba, que atendeu a requerimento do Ministério Público Estadual e determinou a expedição de 3 mandados de prisão preventiva em desfavor de Ivan Burity de Almeida, Jardel Aderico da Silva e Eduardo Simões Coutinho; assim como 25 mandados de busca e apreensão em desfavor de Aléssio Trindade de Barros, José Arthur Viana Teixeira, Ivan Burity de Almeida, Pousada Potiguara/Camaratuba LTDA, Conesul Compercial e Tecnologia Educacional EIRELI, Márcio Nogueira Vignoli, Hilário Ananias Queiroz Nogueira, Editora Grafset LTDA, Vladimir dos Santos Neiva, J.R. Araújo Desenvolvimento Humano EIRELI/Editora Inteligência Relacional, este com localização em Ribeirão Preto/SP e Maceió/AL, Jardel da Silva Aderico, Antônio Carlos de Souza Rangel, Henaldo Vieira da Silva, Giovana Araújo Vieira, Mário Sérgio Santa Fé da Cruz, Eduardo Simões Coutinho, José Aledson de Moura, Instituto de Psicologia Clínica Educacional e Profissional (IPCEP) e Brink Mobil Equipamentos Educacionais LTDA, este último com localização em Colombo/PR, Curitiba/PR, Campina Grande do Sul/PR e São Paulo/SP.

Operação Calvário: diretor do Hospital Geral de Mamanguape é preso

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.