Odon acusa Zé Mário de distribuir celulares e se promover com OAB

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Paraíba, Odon Bezerra, se irritou ontem com as críticas de falta de ação de sua gestão feitas pelo antecessor, José Mário Porto, e acabou fazendo uma série de acusações contra o adversário. As declarações foram dadas durante o programa Hora da Notícia, da Arapuan FM, apresentado por Antônio Malvino e João Costa:

– Estou administrando o caos que ele deixou. Peguei uma OAB totalmente acéfala, sem timoneiro. Eu tinha sido reticente para não atingir a honra de ninguém. É preciso ter responsabilidade ao fazer denúncias para que elas sejam embasadas em realidade e não em factóides que ele procura criar. Eu não preciso da uma OAB para me esconder e continuar fazendo política. Desarme o palanque, Dr. Zé Mário. A advocacia paraibana precisa de união. Quando me elegi, e eu não usurpei mandato de ninguém, mas ganhei no voto livre e soberano do advogado paraibano que julgou a gestão de Zé Mário e não a aprovou. Eu nunca usei da instituição para fazer promoção pessoal. Aqui no "Direitos de quem exerce o Direito", na segunda página tem uma foto do ex-presidente da OAB. Isso é crime. É promoção pessoal. Nós administramos uma autarquia federal e não podemos colocar nossa foto para distribuir com os advogados paraibanos porque a administração tem que ser impessoal. Se o senhor não sabe, fique sabendo. Estamos jogando fora mais de 10 mil cartilhas dessas. Veja o prejuízo que causa à administração.

Odon prosseguiu, citando débitos da antiga gestão com a empresa telefônica OI:

– Dá um total de R$ 300 mil que a Oi nos cobra. São desmandos da gestão de Zé Mário Porto porque ele distribuiu celulares com advogados a torto e a direito e eles não pagaram. Eu estou lutando para não pagar, para que quem usou pague por isso. O caos era maior. Às vésperas de deixar o cargo, o Dr. Zé Mário tinha uma dívida com a Caixa de Assistência ao Advogado que já durava 5 anos. Ele fez um arrumadinho, dividiu em 36 meses e spagou a primeira parcela no último mês da administração dele. Deixou 35 prestações para eu pagar. Eu não queria estar dizendo isso, mas paciência tem limite e a minha se esgotou. A OAB deve R$ 300 mil ao FGTS e ao INSS. E não falo por ilações, eu trago e mostro. Já houve demanda criminal contra a OAB por isso, mas ele fez uma composição com o Ministério Público Federal. Foi essa administração que eu peguei. E ele vem dizer que a nossa gestão está acéfala. Não está, não. Agora, a OAB tem calendário e vamos levar para os advogados o que ele nunca levou: educação e reciclagem. Eu já fiz a prestação de contas na instância adequada.

Finalmente, ele falou sobre a acusação de ter feito política no exercício da presidência da OAB e confirmou que pediu votos para o irmão, Hervázio Bezerra, que disputou uma vaga como deputado estadual pelo PSDB:

– Eu vou ser hipócrita de dizer que não pedi votos para meu irmão? Eu não seria imbecil, mas nunca fiz isso dentro da OAB. Eu fiz questão de me afastar da Ordem para não sofrer essas acusações que sofro hoje, que são as mesmas que sofri durante a campanha para a OAB. Os advogados me escolheram e queira Zé Mário ou não, o presidente eleito fui eu.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.