Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

OAB defende prisão para envolvidos em tortura a Carlos José

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

"Todos os envolvidos que aparecem no vídeo torturando o acusado da chacina no Rangel deveriam receber voz de prisão". Esta foi a declaração feita por José Mário Porto Júnior, presidente da OAB-PB, ao tomar conhecimento do vídeo em que aparece Carlos José dos Santos, principal acusado na chacina do Rangel, sendo torturado por policiais no interior do presídio do Roger.

Para ele, não basta apenas afastar o diretor do presídio, todos devem ser presos, afinal ficou caracterizada a prática de crime de tortura, o que é tão grave quanto o que foi praticado pelo preso.

“Lamentamos o que ocorreu com aquela família e entendemos que o crime chocou toda a sociedade paraibana mas não podemos concordar com a prática de tortura contra ninguém, o Estado é o responsável pela garantia da integridade física das pessoas sob sua guarda. Ele cometeu um crime e terá que ser julgado sob as penas da Lei e deve sofrer a pena do ato que praticou, a justiça quem decide”.

Porto continua informando que a OAB tem recebido várias denúncias de que fatos como esse não se tratam de um caso isolado, “várias informações apontam que os crimes de tortura de presos acontecem com freqüência e não só no presídio do Róger mas também no PB 1 e PB2. São várias denúncias, tantos de familiares dos presos como também de advogados, o que é inadmissível. Há notícias que muitas vezes os advogados são impedidos de conversar com seus cliente por conta de atos praticados contra os presos que não são recomendados.”

De acordo com o art. II, inciso 6º da Lei nº 9.455 (lei contra tortura), o crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça ou anistia. Esta lei foi sancionada em abril de 1997.

Prerrogativas – José Mário ainda informa que além das denúncias de violação do direito dos presos, os advogados também reclamam que suas prerrogativas estão sendo violadas. Os advogados criminalistas reclamam que muitas vezes não conseguem ter acesso aos seus clientes que estão nos presídios.

Segundo ele, no presídio do Róger sequer tem uma sala para que o advogado possa conversar com seus clientes. Eles conversam através das grades e na presença de um agente. Isso viola as prerrogativas profissionais pois, conversar em sigilo com seu cliente é uma das prerrogativas do advogado, garantidas pela lei 8.906/94.

Por muitas vezes os advogados esperam mais de 3 horas para poder falar com seu cliente recebendo as desculpas mais esfarrapadas para a demora que a ninguém convence.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Incidente no Restaurante Garden: entenda o que realmente aconteceu

Anteriores

joaobelga

Paraíba terá Centro de Distribuição e fábrica de esquadrias de PVC de empresa da Bélgica

Artêmio Picanço, advogado

Advogado considera “surreal” decisão da Justiça da Argentina pela prisão domiciliar de Antônio Neto; veja

Igreja Matriz de Monteiro

Polícia procura mulher suspeita de furtar dinheiro de ofertas da Igreja Matriz, de Monteiro

PF Operação Rescue

Operação da PF prende homem por armazenar imagens de abuso sexual de crianças

Concurso, freepik 1

MP recomenda retificação de edital do concurso para Guarda Civil de Santa Rita

PF operação Pombo, Objetos encontrados em casa de funcionários dos correios

PF investiga desvio de encomendas dos Correios e apreende objetos em casa de servidor

João Pessoa linda demais, secom pb

João Pessoa é destaque entre os Top 10 Destinos de Viagem para o mês de julho

Fábio Andrade, procurador-geral do Estado

Estado aprova lista de acordos diretos de precatórios com 593 propostas e R$ 78 milhões

Sérgio Moro 22

Por unanimidade, TSE rejeita cassação do mandato de Sergio Moro

Perilo Lucena, juiz

Ação alerta contra abuso e exploração sexual infantil nos festejos juninos de CG