Marco Lima

Marco Lima tem graduação em Educação Artística, com habilitação em Música, Especialista em Educação Infantil e Mestre em Serviço Social (UFPB), tendo como área de Pesquisa a Educação Inclusiva de Pessoas com Deficiência Visual. Atua como Professor de Música no Instituto dos Cegos da Paraíba Adalgisa Cunha. Presidente da Federação Espírita Paraibana, foi co-fundador do Grupo Acorde.


O Mestre Nasceu

  • A guisa de introdução. Desde muito tempo admiro as crônicas de José Augusto Romero, ou “Seu Romero”, como respeitosamente assim o chamo. Não o conheci em vida física, pois quando tornei-me espírita em 1984, ele já tinha retornado à Vida Maior. Mas o autor se revela pelas suas obras. Assim surgiu a empatia entre nós, ao conhecer seu legado literário e o trabalho à frente da nossa amada Federação Espírita Paraibana. Desafiei-me a escrever essa crônica a quatro mãos e a duas mentes, tendo como inspiração a sua crônica intitulada, Jesus, publicada no Livro Lições da Vida Maior, compêndio de crônicas organizado pelo seu filho Carlos Romero.

    Então, vamos ao desafio literário.

    O Mestre Nasceu, como um sorriso na face da vida, como uma estrela desconhecida, como a beleza serena de Deus. Presidiu a formação do nosso planeta quando ele era ainda um simples retalho de nebulosa.

    Nasceu o Menino, como nasce o rio na fonte, como o sol por detrás do monte, nova esperança no mundo ascendeu. Cumpriu o que proclamava o Evangelista: “Deus amou tanto o mundo que lhe deu seu filho primogênito, a fim de que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. (João, 3:16.)

    Um estábulo te acolheu, símbolo da simplicidade e da humildade. Foi o ponto de partida de tua missão sublime. Sua família, composta por pessoas simples, José, o carpinteiro e Maria, a jovem Judia, magnânima e bela. Sua família acolhedora protegeu o plenipotenciário celeste.

    O mundo divino se agitou para anunciar aos homens a tua vinda. Pastores humildes, que vigiavam seu rebanho ouviram o cântico da milícia celeste: Gloria a Deus nas Alturas, e paz na Terra, boa vontade com os homens. (Lucas, 2:14.)

    Uma estrela apareceu no firmamento, aos magos, para lhes indicar o local do teu nascimento. A hora tornara-se soleníssima. O céu se enchia de esplendores e a natureza toda se associava ao inigualável acontecimento.

    Com o teu advento tudo se modificou. Ensinaste aos homens o caminho de céu, dizendo-lhes: Amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam. Excelsa e desafiadora lição de transcendência.

    Como registrado no Evangelista (João Cap. 1:1.), no princípio existia o verbo e o verbo estava com Deus e o verbo estava em comunhão com Deus. Percebemos tua plena identificação com o Pai, na condição de Espírito Puro.

    Nunca houve quem falasse ao mundo com tanta autoridade moral e com tanto desejo de instruir e de moralizar. É por que percorreste todas as etapas evolutivas do Plano Divino: Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. A tua vida cheia de ensinamentos e exemplos, é o caminho; a luz que refulge das páginas vivas do teu evangelho é a verdade; a felicidade, conquistada pelo sofrimento, pelo sacrifício e pelo amor constitui a verdadeira vida, é a vida eterna sem intermitências, tanto no espaço como no tempo. A felicidade eterna é uma aurora que desconhece o crepúsculo.

    E a luz brilha na treva e a treva não a reteve. Quão necessário é orbitar sob a luz imperecível de Jesus, sol de nossas vidas. Estando juntos a Ele, clareamos as sombras do nosso interior imperfeito, e aquecemos nossas almas com as emanações da Sua Força Divina. No Evangelho se movem as forças do infinito, a justiça é automática e perfeita, substancial; a coordenação social é completa, o homem se movimenta em paz, em harmonia com o universo.

    Que a Luz que te envolve meigo Rabi da Galiléia, desça em catadupas neste Natal, em tempos tão desafiadores sobre toda a humanidade.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.