Mário Tourinho

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal


O Mercado Central de JP: 70 anos

Estávamos em um centro comercial  e encontramos uma simpática senhora que se apresentou como leitora de nossos artigos e em especial da série em publicação sobre  “João Pessoa, Cidade Sustentável”. E instigou que escrevêssemos quanto ao fato do Mercado Central da capital paraibana está a merecer mais cuidados dos governantes, menos no que se refere à sua estrutura física, e mais quanto à ambiência social porquanto lá existem, quase como permanentes, “pessoas da pesada”  causando o afastamento de muitos clientes.

De pronto entendemos o porquê dessa leitora direcionar seus apelos “aos governantes” e não só à Prefeitura pessoense, administradora do Mercado Central. O problema maior é, como já dito, da ambiência social. Assim sendo, é mais do que recomendável uma ação em parceria Prefeitura/Governo do Estado para a preservação, em todos os sentidos, inclusive como centro gastronômico e de apelo turístico, dessa feira livre que é a principal e a mais antiga de João Pessoa,  merecedora, pois, de eficaz esquema de segurança.

A mesma leitora também chamou a atenção para os prejuízos (e temores) que essa falta de cuidados para com o Mercado Central   causam até aos residentes             e donos das lojas que estão no seu entorno (av. Dom Pedro II, av. Princesa Isabel, av. Almeida Barreto e rua Rodrigues de Carvalho). E ainda nos lembrou que o Mercado Central está para completar 70 anos, pois, conforme ela, foi inaugurado em 19 de março de 1949 quando a cidade tinha como prefeito Osvaldo Pessoa Cavalcanti de Albuquerque. E complementou: – “Cuidar do Mercado Central é também o mesmo que preservar a história da cidade”. Nisso, um filho dessa leitora, que a acompanhava, disse: – “E que nessa revalorização, dote-se o Mercado com equipamentos de sustentabilidade, incluindo o de  aproveitamento das águas de chuva”.

Comentários