Dom Manoel Delson

Dom Manoel Delson cursou Filosofia e Teologia em Nova Veneza (SP) e no Instituto de Teologia da Universidade Católica de Salvador (BA). É licenciado em Letras e tem Mestrado em Ciência da Comunicação Social, em Roma, na Pontifícia Universidade Salesiana. É Arcebispo da Paraíba.


O amor que nos faz dar a nossa vida

A Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo nos coloca diante da necessária fidelidade que nos propõe o Evangelho de Nosso Senhor. O chamado apostólico passou pelo total comprometimento de homens que foram capazes de derramar o sangue por causa de Cristo. Faz parte do DNA dos apóstolos a entrega irrevogável de suas vidas. A perseguição religiosa sempre acompanhou a história da Igreja no mundo, mas vale lembrar que, a resposta dos cristãos sempre partiu do amor. Não somos chamados a uma ingênua presença no mundo, mas existe uma resposta de amor que sabe suportar a prova e até mesmo a disponibilidade do martírio.

Na passagem do Evangelho de São Mateus 16, 16-19, Pedro nos revela sua confissão de fé em Jesus, acolhe-O como Messias e Filho de Deus; tal confissão é solidária, ele faz também em nome do grupo dos apóstolos. O nosso apóstolo é apresentado como rocha, ele não se autodenomina assim, mas recebe essa missão do próprio Senhor. Esta confissão de Pedro, que diz que o Senhor é o Messias, não foi mérito de um conhecimento humano, mas veio de Deus. Ele carrega a missão especial de conduzir a Igreja de Cristo, chamado a governá-la com o serviço da caridade. A missão de Pedro continua na história com o serviço prestado pelo papa. O papado é um dom para a humanidade, Deus escolhe homens fracos para manifestar sua força e desconcertar a lógica das sociedades marcadamente secularizadas, que a tanto custo tentam expulsar Deus para a margem da existência humana. Agem como se Deus fosse inimigo dos homens e mulheres. Nosso testemunho cristão deve declarar que Deus é o centro, de que existimos no amor Dele.

E Paulo? O testemunho das Sagradas Escritura o apresenta como um homem cheio de ardor pela evangelização. Faz da sua vida, depois de encontrar o Senhor Ressuscitado na estrada de Damasco, um pleno serviço em favor dos homens e mulheres. O apóstolo das gentes não se poupou, não reteve sua vida, mas foi até às últimas consequências do martírio: “a iconografia tradicional apresenta São Paulo com a espada, e sabemos que esta representa o instrumento do seu martírio. Mas, repassando os escritos do Apóstolo dos Gentios, descobrimos que a imagem da espada se refere a toda a sua missão de evangelizador. Por exemplo, quando já sentia aproximar-se a morte, escreve a Timóteo: «Combati o bom combate» (2 Tm 4, 7); aqui não se trata seguramente do combate de um comandante, mas daquele de um arauto da Palavra de Deus, fiel a Cristo e à sua Igreja, por quem se consumou totalmente” (Papa Bento XVI). Que o convincente testemunho de Pedro e Paulo ajude sempre a Igreja deste tempo a não poupar-se e não temer o caminho da cruz de Jesus.

O amor que nos faz dar a nossa vida

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.