Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

O advogado do diabo

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Quando Dias Toffoli suspendeu no STF a investigação sobre Flávio Bolsonaro, após vários encontros amistosos com o presidente da República, o pai do garoto, ele estava cumprindo a lei. Mas quando o mesmo ministro vota contra a prisão em segunda instância, que pode colocar Lula fora da cadeia, é acusado de rasgar a Constituição. E vice-versa.

Com dois pesos e duas medidas, estamos empurrando o Brasil para algo muito perigoso. Para o campo da justiça por conveniência, como se a legislação do país fosse um estádio de futebol, com duas torcidas em lados opostos. Se tratarmos este tema como instrumento de disputa política, vamos acabar ratificando Maquiavel: Aos amigos os favores, aos inimigos a lei. É aí onde mora o perigo.

Sou a favor da prisão após a condenação em segunda instância. Como cidadão, e não como profissional da área do direito, acho que este mecanismo deu uma certa celeridade à justiça. Colocou atrás das grades pessoas que se achavam intocáveis. Puniu gente grande que sempre achou que viveria impune. Considero esta fase da justiça brasileira um avanço – apesar de alguns abusos que precisam ser corrigidos. A Lava Jato, por exemplo, tem vários méritos, mas também cometeu erros.

Ser a favor da tese perdedora no STF, porém, não afasta de mim a necessidade de ouvir os argumentos da tese vencedora. E eles são coerentes. Li, inclusive, vários argumentos de profissionais do direito, declaradamente antipetistas, vale salientar, que corroboram a decisão do Supremo. Creio, portanto, que eles estão colocando o entendimento da Constituição acima dos desentendimentos políticos que dividem o país. E este é o melhor caminho.

Se o STF acertou ou errou, eu acho que acertou errando. O que sei mesmo é que é preciso endurecer a legislação para punir os grandes, e não somente os pequenos. Se vamos chamar isso de prisão em segunda instância ou prisão em última instância, para mim é irrelevante. Leis nós temos de sobra. O problema é a boa ou má vontade no momento de aplicá-las.

O importante, urgente, é reivindicar e torcer por uma justiça com a celeridade e com a imparcialidade que um país grande e diverso como o Brasil exige. Não queria ter de concordar eternamente com Renato Russo quando ele diz que “ninguém respeita a constituição, mas todos acreditam no futuro da nação”.

Espero, como cidadão, que a justiça brasileira seja feita sempre de olhos fechados. E não com um olho no Flávio e outro no Lula.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

‘Festa da Adoção’ tenta aproximar crianças e adolescentes de pessoas aptas a adotar

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Anteriores

rio grande do sul enchente 2024 FOTO rafa neddermeyer agencia brasil

Número de mortes causadas pelas chuvas no Rio Grande do Sul sobe para 169

Imposto deRenda, Imagem Joédson Alves-Agência Brasil

Prazo para declarar o Imposto de Renda termina na sexta-feira

mega sena FOTO marcello casal jr agencia brasil

Paraíba tem 25 apostas ganhadoras na Mega-Sena

Brasília (DF) 11/04/2023 Fachada do palácio do Supremo Tribunal Federal (STF) Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

STF prorroga cotas raciais em concursos até Congresso votar nova lei

rabaul_papua nova guine FOTO Pixabay

Agência da ONU estima 670 mortes após deslizamento de terra em Papua-Nova Guiné

rio agua FOTO Pixabay

Homem tenta salvar bezerro em açude na Paraíba e morre afogado

Brasília, DF, Brasil: Caixa Econômica Federal. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Concurso da Caixa tem aplicação de provas neste domingo na Paraíba e em outros estados

sergioequeoriga

“Quero Quero” e o discurso contraditório do “agora é oficial”

gleisi1

PT deve anunciar na segunda que postura adotará nas eleições deste ano

matheusmnachtergaele

FestincineJP: saiba tudo sobre festival que vai exibir 42 filmes gratuitos