Nonato afirma que o próprio Governo admite fragilidade de obras

“O próprio Governo assumiu publicamente que fez propaganda enganosa ao anunciar obras que não existem ou ainda estão em fase inicial de construção”. A afirmação é do coordenador da pré-campanha de Ricardo Coutinho (PSB) ao Governo do Estado, jornalista Nonato Bandeira, ao citar as fotografias apresentadas pelo ex-deputado Gilvan Freire e as declarações do secretário Francisco Sarmento reconhecendo que nenhuma obra prometida e divulgada pela mídia oficial está pronta para ser inaugurada.

Nonato Bandeira disse que o Governo do Estado mobilizou uma força-tarefa desde o início da semana passada, que incluiu secretários, deputados, ex-deputado, vereadores, jornalistas e publicitários tentando desmentir as suas afirmações de que o atual governo faz propaganda enganosa e não cumpre as promessas feitas desde o início da atual gestão.

“O tal porto das águas profundas e o super-metrô de superfície, anunciadas no valor de R$ 6 bilhões, só existem mesmo no delírio da propaganda do governo Maranhão. A Via Jaguaribe eles arranjaram às pressas uma licitação para dizer que a obra pode sair um dia; colocaram umas armações de ferro ridículas na ponte do boi morto em Aparecida para fotografar e arrumaram umas paredes pré-moldadas no terreno onde seria inaugurado agora em junho o Centro de Convenções, conforme anúncio do próprio governador”, afirmou Nonato.

Segundo o coordenador da campanha do pré-candidato Ricardo Coutinho, caiu a máscara do atual Governo e o povo está se deparando com a realidade. “Ou seja, não existem os 36 hospitais que eles anunciaram, nem as 65 mil casas, muito menos a duplicação da BR-230 ligando Campina Grande a Cajazeira, como também as dezenas de escolas que Maranhão prometeu entregar. O que existe, na verdade, é um festival de promessas, de propaganda enganosa e de cooptação de lideranças políticas. Nada mais que isso”, afirmou Bandeira.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.