‘Não vai ter lockdown’, diz Bolsonaro após Brasil registrar 4,2 mil mortes em um dia

 

Um dia após o Brasil registrar 4,2 mil mortes nas últimas 24 horas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar a adoção de medidas restritivas para tentar frear o avanço da Covid-19 no Brasil e disse que não haverá um lockdown nacional.

As ações para restringir a circulação de pessoas têm sido defendidas por autoridades sanitárias para enfrentar a pandemia no país, que vive seu maior pico e responde hoje por um em cada três mortos pelo novo coronavírus no mundo.

Bolsonaro voltou a defender o chamado “tratamento precoce”, com o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença e que, segundo a Associação Médica Brasileira, deveriam ter seu uso contra a Covid banido.

O presidente fez uma visita de trabalho no Centro de Eventos, em Chapecó, em Santa Catarina, onde foi desativada uma unidade semi-intensiva para pacientes com Covid-19.

A governadora em exercício do Estado, Daniela Reinehr (sem partido), recebeu a comitiva presidencial no aeroporto Serafim Enoss Bertaso e acompanha toda a visita. A secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto (Cidadania), também estava presente. Todos estavam usando máscara de proteção contra o vírus.

O encontro ocorre no Centro de Eventos. A montagem do espaço foi uma das principais medidas do município para enfrentar o colapso no sistema de saúde em fevereiro por falta de leitos para tratamento da Covid-19. No sábado (3), com a transferência do último paciente do local, a estrutura, que tinha 75 vagas, foi desativada.

Apesar disso, o incentivo da administração municipal ao chamado “tratamento precoce” contra o coronavírus, mesmo sem eficácia comprovada, fez Bolsonaro elogiar a gestão em Chapecó.

“Exemplo a ser seguido, por isso estou indo para lá. Para exatamente não só ver, mas mostrar a todo o Brasil que o vírus é grave, mas seus efeitos têm como ser combatidos. Mais ainda, naquele município, com toda certeza em mais [cidades], em alguns estados também, o médico tem a liberdade total para trabalhar com o paciente, total. Esse é dever do médico, uma obrigação e direito dele”, disse o presidente em evento no início da semana, em que anunciou a viagem a Santa Catarina.

Aceleração da pandemia em 2021
Elogiada por Bolsonaro pelo trabalho de combate ao coronavírus, a cidade soma mais mortos pela Covid-19 do que a média nacional e estadual. A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes da doença no município é de 240,6, enquanto no Brasil é de 160,3. Já em Santa Catarina, índice está em 161,2. Os dados são do Ministério da Saúde desta quarta-feira (7).

Das 339 mortes registras pela doença até a noite de terça-feira (6), 76% ocorreram em 2021. Foram 415 óbitos entre janeiro e abril. Desde o início da pandemia até dezembro de 2020 o município havia registrado 124 mortes.

Com o colapso na saúde, o município de 224 mil habitantes suspendeu as atividades não essenciais por 14 dias no fim de fevereiro. Alguns serviços, como restaurantes e mercados, que puderam ficar abertos tiveram mudanças no horário de funcionamento e redução da capacidade de clientes.

Nas últimas semanas a cidade registrou diminuição do número de casos ativos de coronavírus e de pacientes com a doença fila por UTI. O prefeito Rodrigues atribuiu a melhora da situação da pandemia à testagem rápida, tratamento imediato e medidas de restrição e fiscalização.

“Nós tratamos imediatamente todos os pacientes com a testagem rápida que fizemos. Nós não fizemos lockdown em Chapecó, nós fizemos uma paralisação parcial da cidade por 14 dias em fevereiro para montar os equipamentos. Então, tudo tem ajudado”, defendeu Rodrigues.

Em 5 de março, a cidade tinha 3,2 mil casos ativos da doença. Na segunda (5), eram 620 pessoas em tratamento, segundo o governo estadual.

Visitas do presidente a SC
Jair Bolsonaro visitou o Estado sete vezes como presidente. A passagem mais recente foi há dois meses, para uma cerimônia do Ministério da Cidadania em Florianópolis, na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Antes disso, ele passou férias em São Francisco do Sul, no Litoral Norte, por duas vezes, uma antes do Natal em 2020, e outra no carnaval deste ano.

Em novembro do ano passado, o presidente voltou a prestigiar a formatura da PRF na Capital. No mês de julho do ano passado o presidente esteve na região da Grande Florianópolis após a passagem do ciclone-bomba que atingiu 185 cidades catarinenses e causou estragos severos em várias regiões.

A primeira visita ao Estado como presidente foi em maio de 2019, quando esteve em Camboriú para a abertura do Congresso dos Gideões.

 

G1

 

VEJA TAMBÉM

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.