Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

Município de João Pessoa terá de pagar indenização por erro em exame

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

A Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento a Apelação Cível nº 200.2003.042977-9/001, impetrada pelo Município de João Pessoa, em face de sentença que condenava a administração a pagar indenização de cinco salários mínimos, por danos morais, à Rute Firmino da Silva. O dano sofrido é em razão de um teste com resultado falso positivo para o contágio de sífilis, feito por um laboratório municipal. O relator foi o desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos.

De acordo com o relatório, na apelação, o município afirma que Rute Firmino teria avaliado ela mesmo o exame, cuja interpretação necessita conhecimentos médicos, precipitando em deduzir que era portadora de sífilis. Entretanto, nas contrarrazões, Rute Firmino rebateu as alegações do município “dando conta de que a interpretação contestada fora feita, sim, por médico, sendo prova disso o remédio que este lhe prescreveu às fls. 10 dos autos processuais”, diz o relatório.

O relator observou que, apesar do município centrar-se na premissa de que não competia à Rute |Firmino interpretar o resultado do exame, e a apelada apresentar como prova uma prescrição médica que obteve, segundo afirma, em face do resultado do exame, esse não é o caminho para a resolução do caso.

“No meu sentir, contudo, não é por aí que passa o deslinde do feito. Isso porque, não importa quem haja procedido a essa interpretação – a própria recorrida ou o médico – o fato é que é de responsabilidade do laboratório informar a examinada sobre a possibilidade de o resultado alcançado não ser conclusivo, de forma a que demande, por isso mesmo, uma contraprova, que o confirme ou afaste”, explica o relator.

O desembargador entendeu que o laboratório não cumpriu com o ônus que lhe cabia cumprir e impingiu à Rute Firmino uma série de transtornos consistentes com abalo moral. Tudo provocado pela aflição em face do falso resultado, que dava conta do contágio por sífilis, doença que é sexualmente transmissível e de gravidade reconhecida. O relator acrescenta que o valor estipulado pelo juízo de primeiro grau se presta reparar a dor “amargada pela promovente” e “coibir o promovido a omitir novamente informação mencionada”.

“Ante o exposto, nego provimento ao apelo, mantendo o decisum guerreado em todos os seus termos”. Concluiu o desembargador-relator.

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Banco do Nordeste nomeia novo superintendente na Paraíba

Prefeito paraibano fala de “infelicidade” de ter filhos autistas e servidora acrescenta: “São doidos”

Anteriores

imagem_2024-06-25_131911480-2

Juiz suspende reunião do PSOL que decidiria pelo apoio a Cartaxo

prefeito

Opinião: Atriz atua e não substitui responsabilidade social de gestor

onibus

Ônibus colide com poste no bairro dos Bancários, em João Pessoa

concurso-policial-penal

MPPB, secretarias e sindicato deliberam sobre concurso para policial penal

banheiro

Suspeito de estuprar mulher durante festa de São João em Santa Rita é preso nesta segunda

Dinheiro muito

Prazo para 16 ganhadores do Nota Cidadã resgatarem R$ 40 mil em prêmios termina dia 20

João Almeida, foto divulgação

Ex-vereador João Almeida está internado após cirurgia cardíaca

Programa Justiça 4.0

Programa Justiça 4.0 abre 35 vagas de trabalho

INSS na Paraíba

Servidores do INSS na Paraíba entram em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira

Celso Batista e Luciano Cartaxo

PSOL decide hoje se mantém pré-candidatura de Celso Batista ou apoia Luciano Cartaxo